12 meses contados por 12 posts: o meu ano de 2020

Todos os anos eu faço uma retrospectiva do ano que passou através dos posts do blog. Ao todo foram 204 posts até agora e ainda teremos mais alguns textos antes do ano acabar. Eu devo confessar que toda vez que o ano acaba e eu faço este post eu fico curiosa para saber o número que vezes que eu parei, sentei com meu coração aberto e escrevi aqui – para vocês e também para mim mesma. Eu AMO esse espaço e muitas das vezes eu sou egoísta e escrevo os textos porque não quero nunca mais esquecer aquele momento e o sentimento de algo que vivi. Nada melhor do que deixar isso eternizado aqui, não é mesmo?

Na semana passada eu fiz um post diferente e escrevi sobre aquilo que eu NÃO te contei através dos meus textos no blog. Eu fiquei muito nervosa com o texto porque não queria que soasse como se eu escondesse minha vida e só mostrasse o que me convém. Para minha surpresa – e felicidade – este texto teve um sucesso enorme e em uma hora quase 1000 pessoas leram. Quero então deixar meu carinho para todos que me respeitaram e vibraram com minhas conquistas, entendendo a importância do silêncio e da necessidade de “esperar o momento certo” para compartilhar.

Hoje o texto é diferente: eu vou mostrar meu ano através daquilo que eu compartilhei com vocês. É engraçado pensar sobre isso porque quando a pandemia surgiu eu fiquei preocupada com o que iria postar mas vi que as pessoas acabaram entrando aqui para encontrar esperança e dicas de como superar estes meses tão difíceis. Saber que eu ajudava de alguma maneira me ajudou muito nesses meses – e me ajuda.

Um janeiro normal e a primeira vez que eu falei sobre o COVID-19 no blog

Nosso janeiro foi perfeito: fizemos um passeio de final de semana a um hotel que eu sempre quis me hospedar – e tivemos momentos incríveis por lá – além de curtirmos a cidade normalmente. Nesse mês nós visitamos a EATELY pela primeira vez e eu contei detalhes também em um post. Certamente o post que eu quero destacar para este mês é o primeiro que eu falei sobre o COVID-19 – este aqui – e resolvi colocar ele nesta lista porque escrever sobre ele me deixou muito nervosa. Lembro de postar e depois receber muitas mensagens de amigos não entendendo o porquê do meu post e também preocupados com o “pânico” que eu poderia estar causando. Fato é que já tínhamos 3 casos confirmados da doença no Canadá e por conta de como Toronto foi afetada por SARS em 2003 todos estavam bem assustados na época no hospital que eu trabalho.

Um fevereiro de muitos passeios

Eu nunca curti um inverno tão intensamente quanto o de 2019/2020. Nós fizemos no total 7 passeios e eu entendi que isso é realmente necessário para aguentar os longos meses frios. Todos os lugares são adaptados para o frio e não há um hotel que você vá que não tenha uma atividade diferente para vocês sair da rotina e curtir, mesmo no frio. Neste mês específico nós passamos alguns dias em um resort incrível na região de Muskoka – clique aqui – e também em um cottage na região de Haliburton – este aqui. Foi muito bom ter este fevereiro movimentado, porque eu nem imaginava que a nossa vida ia mudar tanto em março…

O março que ninguém esperava ter

Março é um mês muito esperado porque nele temos o March Break, uma semana de folga na escola onde todos viajam e curtem uma folga, já que nem todos param entre Natal e Reveillon. Alguns dias antes do March Break tivemos a notícia que a folga seria prolongada por 3 semanas – que acabaram virando 6 meses. Eu tenho um post detalhado contando aquela semana, incluindo o que aconteceu na escola, creche, trabalho e meus sentimentos com toda aquela incerteza… Falo muito de quando compartilhei com vocês que estava com medo do que estaria por vir e fui muito mal vista, por causa da repercussão que “alguém que trabalha na área da saúde” poderia causar ao dizer que “está com medo”. Está tudo explicado no texto e recomendo a leitura.

Um abril dentro de casa

Abril foi o pior mês que tivemos da pandemia, falando no sentido psicológico da coisa. As aulas dos meninos não voltaram e os professores ainda estavam se adaptando com as aulas online – então estávamos sem rotina alguma. Eu e meu marido não sabíamos o que fazer e tínhamos medo de perder o emprego. Abril foi aquele mês que as compras dos supermercados chegavam e ficavam 5 horas na rua para o vírus “sair” e quando entravam dentro de casa era recebendo uma chuva de álcool gel. Nós saíamos de carro (de pijama mesmo) para ver a paisagem na rua e voltávamos sem respirar ar puro. Além de tudo isso abril foi o mês para eu reaprender a ser mãe: ter mais paciência, envolver os meninos em todas as atividades e realmente cuidar deles 24/7. O post que deixo em destaque é um com dicas de atividades para entreter os pequenos em casa, que foi feito com muito carinho. Vale falar que abril foi um dos meses com menos posts do blog desde seu começo: 9 apenas. Eu realmente não me sentia confortável em dar dicas do que fazer em Toronto nesse momento.

O maio de esperança

Maio chegou e junto com ele trouxe calor e esperança. Normalmente maio já traz muitas coisas para nós, mas durante a pandemia ele veio me mostrando que eu poderia conviver com aquela loucura que estava sendo a minha vida e que eu era sortuda de continuar tendo saúde, trabalho e ter a capacidade de cuidar dos meninos. Se você ler meus textos de abril vai ver como eu me sentia amarga e nervosa: eles são curtos e ansiosos. Mas os de maio vieram com mais leveza e indicando que tínhamos que levar um dia de cada vez e que as coisas iriam se acertar. Destaco aqui o post do aniversário do meu marido: resolvemos comemorar (somente nós 4) com decoração e delícias para mostrar para os meninos que aquilo que estávamos vivendo não iria impedir a gente de ser feliz e viver tudo que quiséssemos. Eles amaram e o marido também!

Um junho explorando Ontário

Nos nossos passeios de carro de abril – aqueles que íamos de pijama e nem saíamos do carro – começamos a notar o quanto mudar ares nos fazia bem. Em junho comecei a fazer uma pesquisa intensa de lugares pouco explorados em Ontário e começamos a fazer passeios mais longos, agora sem pijama. Algumas vezes íamos até um lugar, achávamos ele cheio e voltávamos sem sair do carro. Mas a maioria das vezes demos sorte e conseguimos curtir outdoors. Eu vi isso como uma oportunidade de fazer passeios ao redor de Toronto e conhecer lugares lindos que não teríamos a oportunidade, porque certamente estaríamos pegando o avião nesta época para viajar para mais longe. Só neste mês visitamos os seguintes lugares (mas vocês podem procurar e ver os tantos outros que visitamos durante o verão inteiro):

Julho literalmente dentro de uma barraca

Foi em julho que acampamos pela primeira vez – e pela segunda também! Em julho as restrições por causa do COVID-19 baixaram e achamos que acampar seria uma ótima maneira de ir à lugares mais afastados, curtir a natureza e estar em segurança. Conhecemos lugares incríveis e curtimos a experiência como um todo, apesar de eu confessar nos meus textos que ainda prefiro o conforto que os resorts podem nos trazer. Os posts desta época foram feitos com muito cuidado, porque eu tinha muito medo de estimular vocês a passearem em um momento tão delicado. Sempre deixei claro que todos os passeios eram feitos com segurança e em lugares pouco movimentados. Nas vezes que acampamos nós pegamos férias para poder ter esta experiência dia de semana, quando os campings estavam vazios. Dei dicas de lugares pouco conhecidos e tive um feedback muito bom de vocês, o que me deixou extremamente feliz.

Os 10 anos do blog em agosto

Agosto foi um mês muito especial para mim, porque nele eu comemorei 10 anos de blog. Não posso dizer que é fácil manter este espaço aqui – especialmente eu, que sou extremamente perfeccionista, mas sou tão orgulhosa do que adquiri com este comprometimento e trabalho que eu não poderia falar de outra coisa nesta retrospectiva do que essa “comemoração”. Claro que teve post no blog – este aqui – com uma reflexão sobre escrever em um espaço público por tanto tempo. Sim, minha profissão é escrever, mas sobre achados científicos. Então, escrever sobre minha vida e minha opinião em um lugar como esse por tanto tempo é incrível! Obrigada a todos que me acompanham.

Setembro mostrando uma das regiões mais lindas e desconhecidas do Canadá para vocês

Nós tínhamos planos de comemorar os 10 anos do Canadá cruzando o país de carro como eu contei neste post aqui. Não deu certo principalmente porque parte deste passeio envolvia um vôo e não nos sentíamos a vontade naquele momento de entrar em um avião. Então mudamos nossos planos e resolvemos explorar uma região pouco conhecida: a Gaspé Península. Vocês não tem noção do planejamento envolvido para que esta viagem acontecesse – já que queríamos ter certeza que estaríamos os mais seguros possíveis. A viagem foi PERFEITA e eu mostrei para vocês em 4 posts no blog no mês de setembro (porque apenas um seria impossível): Parte 1, Parte 2, Parte 3 e Parte 4. E vale falar que estamos postando vídeos desta viagem lá no canal do YouTube do blog, este aqui.

Outubro celebrando a vida daquele que me tornou mãe

Nós comemoramos o aniversário de 2 anos do Ian em julho em casa e foi muito lindo e especial (veja aqui). Não tivemos ninguém em casa e ele super pequeno entendeu perfeitamente. Mas ai outubro chegou e com ele o aniversário de CINCO anos do Thomas. E quem conhece meu menino sabe o quanto ele ama festas, pessoas e ser o centro das atenções. Desde que falamos para ele que seu aniversário estava chegando ele começou a perguntar como seria e eu não sabia responder. Acabei bolando um drive-thru e foi muito especial. Aliás, o dia todo foi especial com um café da manhã estilo hotel em casa e muito amor e carinho. Foi muito especial!

Um novembro fora de casa

Em novembro nós colocamos nossa casa para vender e optamos por ficar fora dela para que as pessoas interessadas pudessem visitar. Por causa da pandemia ia ser uma loucura ter uma pessoa diferente a cada dia na nossa casa: imagina só ter que limpar e higienizar TUDO todas as vezes que alguém quisesse entrar nela e vê-la? Impossível. Eu não contei aqui no blog para vocês essa loucura que fizemos, mas ficamos quase 30 dias fora de casa: 1 semana em um hotel, 2 semanas em um Airbnb e 1 semana em um RV. A decisão de ficar no RV surgiu de um dia para o outro e ficamos receosos de ir no frio, mas foi perfeito e eu contei todos os detalhes para vocês neste post aqui. No fim deu tudo certo: vendemos nossa casa e estamos animados para o novo capítulo nas nossas vidas, que eu irei contar para vocês aqui no blog.

O nosso dezembro super natalino

Confesso para vocês que nem sempre faço muitas atividades de Natal com os meninos, porque o mês de dezembro é sempre super agitado tentando deixar tudo pronto para finalizar o ano e geralmente sempre na correria de arrumar malas para uma viagem. Nos 10 anos que moramos no Canadá só ficamos 2 Natais por aqui: um que estava grávida do Ian – porque eu morria de medo de pegar avião grávida por causa das minhas perdas – e um que o Thomas tinha 2 meses – porque não me sentia confortável em pegar um avião com um bebê tão pequeno. Por causa das restrições de vôos com cachorros nesta época do ano – e o fato de quase sempre levarmos nosso peludo com a gente – nós viajámos cedo e os dezembros eram curtos. Mas este ano ficaremos por aqui e resolvi ser a mais natalina possível e incluir várias atividades de Natal que estamos fazendo. Já comecei a escrever alguns posts sobre o assunto – veja aqui – mas aguardem que teremos muitos mais. E devo dizer que estou amando não ter a pressa de ter que arrumar mala, arrumar casa e correr pro aeroporto. Vai ser um final de ano de muita saudade da família mas bom.

dsc_1273

Por fim, não poderia deixar de falar de 2020 sem lembrar do nosso Jojoe, porque não teve UM DIA do ano que está se encerrando que não pensamos nele. Eu evito escrever e falar sobre o assunto porque dá um nó enorme na garganta, mas nós sentimos muita falta dele. E quando digo nós eu falo do Ju e do Thomas também (Ian não entende muito mas sabe o nome do Jojoe e quando vê foto fala “Jojoe, cadê”). Eu pensei nele em TODOS os momentos que passamos em 2020: como ele teria ficado feliz de nos ter em casa por tanto tempo, como iríamos fazer para comprar as comidas frescas que ele comia no auge da pandemia, como faríamos para levar ele no veterinário, como ele teria ficado feliz em acampar com a gente e explorar o Canadá e como ele teria curtido fazer caminhadas agora que o Ian caminha bastante e fazemos trilhas em família.

Eu sempre me pego olhando para os cantos da nossa casa e procurando ele – e sim, eu me sinto uma louca. Essa saudade doída não foi o motivo de vendermos nossa casa mas certamente ajudou. Em alguns momentos durante a quarentena ficou quase que insuportável ficar em casa sem ele. A cada mês que passa a dor que sentimos melhora e se transforma em uma saudade boa, mas ainda estamos longe daquilo que imaginamos ser um “bom sentimento”. Seguimos dia após dia, mês após mês, com saudade mas felizes de ter tido um ser tão especial por 10 anos com a gente.

Espero que tenham gostado do post e que, se conseguirem, sejam inspirados a fazer uma reflexão sobe o ano que passou, selecionando um momento especial em cada mês para começar o novo ano com aquele sentimento bom e também estimulados a fazer melhor. O ano que está finalizando não foi fácil mas, como sempre, eu tento tirar o melhor de tudo e espero que sirva de inspiração para vocês fazerem o mesmo. Já adianto: faz bem.

3 Resultados

  1. Jemima disse:

    Amei! Retrospectiva linda!! Ansiosa pelos próximos posts…😘😘

  2. Tyhenna Costa disse:

    Obrigada por textos tao lindos Gaby, um 2021 muito abençoado pra vc e sua familia.

  3. Sandy Zambon disse:

    Tenho 2 cachorras em casa, chorei lendo sobre o Hoje, não consigo me imaginar sem elas, são seres tão puros, podiam viver mais tempo :( minhas condolências e um feliz 2021 para vocês! <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *