Sobre a generosidade de Deus

Quem me acompanho instagram do blog tem visto um pouco dos updates desta minha gravidez – que já passou da metade! Lá pelo instagram eu mostrei a primeira foto da barriga com 19 semanas de gravidez, contei que teremos mais um menino e contei o nome que escolhemos para o pequeno. Mas eu sinto falta de contar estas novidades e deixar todas elas registradas aqui no blog como fiz com a gravidez do Thomas e é por isso que eu resolvi escrever este post. Vale destacar que mesmo tendo muita coisa para falar sobre esta gravidez eu, assim como na gravidez do Thomas, não consigo me expressar muito sobre o assunto. Eu recebo muitas mensagens de mulheres e mães que querem saber de detalhes de cuidados na gravidez no inverno, da escolha dos hospital para ter este segundo bebê, do que mudou entre uma gravidez e outra, e por ai vai. Eu ainda não escrevi muito sobre isso aqui no blog e peço desculpas… mas a verdade é que eu ainda tenho medo de falar e me expor e criar expectativas demais sobre o assunto. É uma sensação estranha e difícil de explicar (eu tentei explicar um pouco neste post aqui, quando estava grávida do Thomas).

A descoberta da gravidez e os primeiros meses

Neste vídeo aqui eu contei para vocês sobre a fertilização in-vitro e minha história com este tratamento. Nesta segunda gravidez eu fiz o procedimento de transferência de óvulos (2) em novembro de 2017 e precisava esperar 2 semanas para fazer o teste de sangue para confirmar se tinha dado certo. Eu não resisti e com 8 dias do procedimento eu fiz o teste e para minha surpresa aquelas duas linhas surgiram e este foi o começo de mais uma gravidez. Os primeiros meses foram bem mais difíceis do que os da gravidez do Thomas. Talvez porque eu estava super-hiper-mega enjoada. Talvez porque eu estive grávida durante o inverno rigoroso do Canadá (no Thomas eu fiz o procedimento no meio de fevereiro então só peguei um mês de inverno). Mas quando olho para esta época eu nem consigo imaginar que já se passaram mais de 5 meses e que daqui a 4 meses conhecerei meu filho. O tempo passou bem mais rápido desta vez e tenho certeza que os últimos meses também irão voar.

A descoberta do sexo do bebê

Descobrimos o sexo do nosso bebê quando completei 20 semanas em um ultrassom morfológico de 2 horas e meia. Aqui no Canadá é nesta idade gestacional (entre 18-20 semanas) que você sabe o sexo, a não ser que você faça um exame de sangue no começo da gravidez para saber. No nosso caso eu não me importava com o sexo, pois o que queria era estar grávida inicialmente e ter um bebê saudável. Pouco me importava se seria menino ou menina, mas claro que estava curiosa. E quando chegou o dia do exame parecia que somente eu estava curiosa pois saber o sexo foi o que os médicos “menos queriam”. Deixa eu explicar: meu útero já foi muito “judiado” com várias curetagens dos bebês que eu perdi e também dos procedimentos que tive que fazer entre as perdas e depois que tive o Thomas (porque deixaram placenta dentro de mim após o nascimento dele). O resultado disso é uma parede uterina cheia de fissuras que podem levar a alterações placentárias – que não causam nada de mal ao bebê mas podem causar um pós-parto super chato e delicado para a mãe. Pois o ultrassom era para fazer um exame detalhado disso e saber o sexo estava em quinto plano, literalmente. Mas claro que perguntamos (eu, meu marido não estava nem um pouco curioso) e a técnica nos mostrou que teríamos um menino. Olhei para meu marido e chorei, estava muito feliz. Eu sempre sonhei em ser mãe de menino. Acho meninos divertidos, apaixonantes, fáceis de serem criados e companheiros. E quando soube que vou ter outro menino meu coração encheu-se de alegria. É engraçado pois quando penso que “não serei mãe de menina” (porque eu não penso em ter outros filhos) eu não fico triste ou desapontada. Apenas me sinto feliz pois terei dois (três contando com Jojoe) meninos que irão alegrar meus dias e me chamar de mãe. Destaque para a foto acima do nosso bebê dando um sinal positivo enquanto fazíamos o ultrassom, mostrando para a mamãe e o papai que tudo ficará bem.

A escolha do nome

Assim como o Thomas decidimos o nome do novo membro da nossa família no mesmo dia que soubemos que ele era menino (clique aqui e veja post sobre a escolha do nome Thomas). Para mim escolher o nome do filho assim que possível é algo essencial, pois faz com que ele já faça parte da família. E foi assim que naquela noite eu e meu marido deitamos na cama (na verdade eu na cama e ele no chão) e pensamos nos nomes. Desta vez não tínhamos lista mas cada um já tinha um nome de gostava mas não tinha falado ainda para o outro. Meu marido perguntou o que eu achava de Liam e eu gostei, mas quando vi o significado não me agradou. Ai ele falou: “e que tal Ian?”. Olhei o significado, meu coração bateu super rápido e pronto. Sabia que tínhamos escolhido o nome do nosso bebê. Ian é um nome de origem escocesa (João em escocês) e significa God is gracious. Quando olhamos a tradução e os sinônimos de gracioso vem a palavra generoso e ai o nome me tocou, pois Deus foi extremamente generoso em nos dar não somente um menino, mas dois. Na bíblia Ian significa presente de Deus. Não há nome algum ou significado melhor para o que este novo bebê representa para a gente. Portanto, nosso bebê irá se chamar Ian.

As reações ao sexo e a escolha do nome

Muitas pessoas não acreditavam quando eu contava que não sabia o sexo com 5 meses de gravidez. Acho que é cultura do Brasil saber o sexo logo, mas aqui no Canadá a maioria das pessoas sabe o sexo somente no nascimento, então eu fiquei no meio-termo e descobri com 20 semanas. No meu caso eu acho que é a data ideal, pois assim que você sabe o sexo a gravidez toma um rumo diferente e mais real e aquele serzinho na sua barriga se faz realmente presente. Com meu medo em relação às primeiras semanas de gravidez saber o sexo não seria algo saudável para mim e é maravilhoso saber com 20 semanas porque é quando você sabe que tudo está bem – órgãos e sistemas desenvolvendo-se e funcionando como deveriam – e ai, como disse anteriormente, saber o sexo é só consequência. A cereja do bolo. E muitas pessoas me perguntavam o que eu achava – se seria menino ou menina – e eu achava que era menino. Mas às vezes ficava em dúvida porque eu tive uma gravidez totalmente diferente da do Thomas, então era inevitável pensar que seria menina.

E falando do nome, eu devo confessar que eu sinto que muitas pessoas da minha família que souberam do nome não gostaram, o que é uma pena pois é um nome forte, lindo e cheio de significado. Ian (veja pronúncia aqui) não é um nome comum no Brasil e este é mais um motivo que eu escolhi o nome. Assim como Thomas, Ian não é um nome comum (eu não queria nomes comuns para meus filhos), mas também não é super diferente, não é difícil de ser escrito e pode ser usado em ambas as línguas (português e inglês). Eu estou criando meus filhos para o mundo, quero que eles viajem, morem em lugares diferentes e tenham vivências nos quatro cantos do planeta, então nomes fáceis e conhecidos mundialmente (não somente no Brasil) podem facilitar este estilo de vida que eu espero que eles tenham.

Espero que tenham gostado do post e não deixem de comentar o que acharam do texto. Também vou adorar saber sobre a reação dos familiares do Brasil à espera do sexo e também ao nome, para as leitoras que são mães aqui no Canadá também.



Comentários

Parabéns pelo segundo bebê! Deus é mesmo maravilhoso, gracioso e bondoso! Que tudo corra bem e que sejam muito felizes! Pra qual endereço posso mandar um presentinho?

Deus te abençoe.

Gabi, o nome é lindo. Tenho um colega do trabalho que chama Ian e realmente é uma pessoa generosa. Ja conheci mais duas pessoas com esse nome IAN, e todos são pessoas bonissimas.
Lindas escolha e parabéns pra essa família linda que morremos de saudades.

Não gostar do nome do seu filho é tão pequeno, quando depois de todas as dificuldades, vc está tendo um segundo filho!! E a criança está cheia de saúde e até mandando um joinha pro pessoal. Que maravilha! Muitas felicidades e amor na sua vida, Gaby. Acredito que nunca comentei, mas acompanho o blog e sua trajetória é linda. Um beijo

Parabéns Gaby! Fazia muito tempo que não lia seus posts e fiquei muito feliz por sua gravidez!