Sobre o medo de perder aquilo que eu ainda não tenho

DSC_5226

Qual seu maior medo? Se alguém fizer esta pergunta para mim certamente responderei: perder aqueles que eu amo. Acho que muitos de vocês devem ter este medo. Esse é meu medo constante e é por isso que gosto de passar momentos especiais com meu marido, nosso cachorro e nossa família, seja aqui em Toronto, no Brasil ou em outros lugares (muitas vezes nossos pais nos acompanham em nossas viagens e eu curto muito, são momentos especiais que ficarão guardados para sempre nos nossos corações). Compartilhar momentos e felicidades com aqueles que amamos é certamente o melhor que a vida tem a oferecer, não é mesmo?

Mas é quando o assunto é perder alguém que você ainda não conhece mas ama loucamente. Sim, estou falando do Thomas, o nosso bebe tão amado e aguardado. Por já ter perdido dois outros bebês antes esse medo esta presente diariamente. Qualquer sensação diferente, qualquer mudança na minha rotina, qualquer mal estar ou dor (mesmo que seja na unha do pé) ou qualquer quadra a mais que eu tenha que caminhar já é motivo de ansiedade medo e angústia. E essa mistura de sentimentos acaba atrapalhando este momento tão lindo que estou vivendo. Pode parecer loucura mas é um exercício diário manter o otimismo, a fé e a esperança de que, desta vez, tudo vai dar certo.

No começo da gravidez eu procurava não pensar muito, manter minha cabeça ocupada com o trabalho e aguardar para ver se tudo iria dar certo. Evitávamos falar em gravidez e tudo era bem vago, tudo tinha um “se der certo” ou “vamos esperar” na frase. Nesta época eu dizia para eu mesma que com 16 semanas de gravidez eu estaria mais tranqüila e conseguiria curtir minha tão aguardada gestação (não com 12 semanas como a maioria das mulheres pensa, mas com 16, 1 mês a mais só para garantir). Mas aí as 16 semanas chegaram e esta angústia não passou… Pensei, vou esperar o US morfológico de 20 semanas (aquele que aponta se o desenvolvimento do bebê está ok, isto é, se todos os órgãos estão corretamente formados). Fiz o tal exame, deu tudo certo (aliás, tudo está dando super certo) e, adivinhem, continuei ansiosa, com medo de perder algo que ainda não é meu, mas esta cada vez mais próximo de ser. Acho que o medo só aumentou com o passar das semanas.

Eu ainda não consegui fazer meu enxoval, pensar no tema do quartinho do bebê e foram poucas vezes que consegui entrar em uma loja de bebê para olhar coisinhas para o Thomas. Tenho medo de me decepcionar mais uma vez, de ter planos e sonhos arrancados de mim… É uma sensação muito estranha e difícil de explicar, mas muito intensa e constante (acho que só quem passou por isso consegue me entender). A única coisa que fizemos questão de decidir foi o nome, pois o Thomas já faz parte da nossa vida e da nossa família e queríamos fazê-lo presente sempre (e nada melhor do que dar um nome para torná-lo real, não é mesmo?).

Dizem que a melhor forma de aliviar os nossos medos é colocando-os para fora (e quem me conhece sabe que eu nunca tive medo de falar sobre tudo que sinto, incluindo meus medos). Eu me sinto muito mais tranquila em dizer que sim, apesar de estar tudo bem com minha gravidez eu tenho muito medo de perder meu bebê. Compartilhar nossos medos torna a gente mais real sabe, mesmo que este sentimento exista somente dentro de mim.

O que me conforta? Acho que é saber que o melhor sempre está por vir e que Deus está no comando. Tenho sim muito medo de perder o Thomas… mas sei também que quando amamos temos medo de perder, então este é um sentimento que terei que aprender a lidar/conviver sempre, especialmente quando meu bebê estiver aqui entre nós em outubro.



Comentários

Oi Gaby, não conhecia seu blog, e adorei conhecer, pelas postagens vi que essa publicação ja faz um tempo, sou mãe de primeira viagem, amanhã completo 20 semanas e ainda não fiz a ultrassom morfologica, sinto a minha Laura chutar já, meio timida na ponta da barriga, mas agora esta sendo ais frequente, diferente de você não sou muito de me abrir e falar sobre o que estou sentindo, mas sinto um medo constante de perder minha bebe, a noite acordo de madrugada pedindo para Deus que ela me chute para que eu saiba que está tudo bem, e não… Read more »

[…] dizer hoje que estou curtindo a minha gravidez. Depois de semanas de incerteza e medo, hoje eu sinto que tudo está no caminho certo e estamos (eu e o maridão) finalmente curtindo esta […]

Gaby, és uma inspiração, um exemplo de mulher, corajosa e principalmente, guerreira. Sempre que recebo as atualizações do teu blog pelo meu email venho correndo ler sobre os post de temas variados e cada dia sou mais tua fã. Infelizmente (ou felizmente) na vida precisamos percorrer caminhos escuros, ou passar por alguma jornada difícil, mas no final, todo esse sacrifício faz toda a diferença lá na frente. Vale a pena a lida no poema do Robert Frost chamado “The Road Not Taken”. Beijos

Olá Gabi, Acompanho seu blog há bastante tempo, minha irmã fez um mestrado sanduíche no Canadá em 2011, indiquei seu blog pra ela e ela amou. Sou amiga da Rafaella Caon e sempre comentamos sobre você. Fiquei algum tempo sem passar por aqui, pois estava de mudança pra Lisboa (agora também vivo longe de casa e compartilho do sentimento da saudade), e fiquei MUITO feliz quando soube que estava grávida. Li sobre suas duas perdas e, apesar de nunca ter passado por isso, posso imaginar sua dor e entender perfeitamente esse seu medo de perdê-lo. Mas saiba que Deus está… Read more »
Ah Gaby! Sou mãe há treze anos e é a melhor coisa que poderia me acontecer! O medo de perder nos acompanha pra sempre…não se cobre tanto. Faça o que conseguir, mas esteja prepara pra quando Thomas chegar. Porque aí sim, a mãe precisa estar segura, conseguir forças que muitas vezes não sabemos de onde vem, entender que o nosso tempo não é mais só nosso e cuidar deste presente que nos foi dado por Deus da melhor forma! Thomas já está aí … é a única pessoa que te conhece por dentro! Tão lindo e tão profundo isto! Este… Read more »