Uma reflexão sobre o verão de 2020

Quando toda essa história de pandemia surgiu em março eu lembro de conversar com meu marido e até cogitarmos mudar nossos planos para o verão – que haviam sido traçados há meses. Lembro até da gente comentar que “até o verão tudo estaria bem”. Os dias, semanas e meses foram passando e tivemos uma fase bem complicada – em abril – quando lembro de ficar até triste pensando em estaríamos em casa e olhando o verão passar pela janela.

Os meses foram passando e o número de casos foi se estabilizando… e o verão chegou. Não, não está sendo a mesma coisa – e falarei mais sobre isso abaixo – mas devido ao cuidado que tivemos durante o início da pandemia estamos sim podendo aproveitar um pouco os tão aguardados meses quentes. Sim, de uma maneira diferente daquilo que imaginávamos, mas mesmo assim de uma maneira especial. E é uma reflexão sobre isso que este post do projeto #vidanaGTA irá tratar.

Um verão “local”, mas nem tanto assim

A primeira coisa que quero falar é que nos sentimos diferentes por não podermos viajar para fora do Canadá. Todos os anos viajamos muito no verão e é estranho pensar que não somente não iremos viajar agora, mas não temos nenhuma viagem programada tão cedo. Como vocês podem ver no IG do blog continuamos passeando muito – porque este é nosso estilo de vida – mas de carro e evitando visitar lugares muito próximos de Toronto, porque eles geralmente estão lotados. Isso é estranho, porque geralmente a gente explorava muito Toronto no verão – festivais, praias parques, mas agora que os festivais foram cancelados e os parques e praias da cidade estão cheios, o jeito é explorar a província e lugares pouco conhecidos. O saldo é positivo no final, porque estamos tendo a oportunidade de conhecer muitos lugares lindos.

Dias longos que vão além do pôr do sol às 9pm

Os dias de verão por aqui são longos: o sol nasce às 6am e vai se pôr depois das 9pm. Eu sempre gostei de aproveitar esses dias e curtir intensamente, mas depois do verão 2020 essa opinião certamente irá mudar. Os meninos acordam cedo aqui em casa: 7am no máximo eles já estão acordados. O quarto deles não tem uma cortina escura e eu faço isso de propósito, porque quero que eles sejam acostumados a dormir em qualquer claridade e não estranhem se formos dormir em outros lugares. Pois bem, eu e o marido continuamos trabalhando full-time em casa, e com as escolas e creches fechadas somos full-time parents também. As 8 horas de trabalho tem que ser feitas e encaixadas entre brincadeiras, trocas de fralda e muito tempo gasto na cozinha. Os meninos dormem cedo: 8pm no máximo eles já estão na cama e eu e o marido corremos para o computador, para então nos concentrarmos e sermos produtivos à noite. Eu fico tão concentrada que quando me dou conta já passa da meia-noite ou até 1 da manhã e ainda preciso tomar banho e dormir, porque no outro dia sou acordada cedo. Eu poderia estar exausta mas é engraçado como estou cheia de energia: eu realmente acho que ter os meninos por perto me faz bem.

Cozinha, picnic, cozinha, picnic

Nós amamos comer fora aqui em casa e esta é uma tradição ainda mais especial no verão, quando os pátios dos restaurantes estão abertos e podemos aproveitar o tempo quente para desfrutar nossa comida. Com a reabertura da província na fase 2 os pátios dos restaurantes reabriram para o público, mas eu confesso que ainda não estou confortável em ir a lugares com muitas pessoas, especialmente com os meninos. A solução que encontramos para isso foi fazer muitos picnics. Eu NUNCA comi tanto em parques e nunca usei tanto nossa cesta, que confesso quase foi para o lixo pela falta de uso e por ser enorme e ocupar um grande espaço na nossa casa. Os meninos amam planejar os picnics e escolher o que iremos comer e assim a gente consegue continuar comendo “fora de casa”, mesmo que o cardápio e o tempero seja o mesmo (nossa comida ou Tim Hortons). E ainda preciso dizer que estamos cozinhando MUITO e curtindo o fato de ter tempo para explorar os ingredientes e temperos.

Encontros, amigos, família

Uma dos grandes acontecimentos dos verões aqui em casa são os encontros, aniversários, visita de familiares do Brasil e churrascos com amigos. O verão é sempre uma época leve, onde a gente tenta deixar de lado as preocupações para curtir intensamente o calor e compartilhar ele com as pessoas que a gente ama. E é muito estranho saber que estamos no meio de julho e ainda estamos sem encontrar ninguém e sem previsão de receber visita da família do Brasil. Acho que este é o ponto mais “chato” de toda essa história de pandemia, somado ao fato de que a situação do Brasil não está muito tranquila. Com a segunda fase de reabertura da província as pessoas podem se encontrar em grupos de 10 e seguir encontrando essas mesmas pessoas sempre. Nós optamos por incluir nessa bolha nossos vizinhos, porque assim as crianças podem ter contato com outras crianças diariamente e não ocasionalmente.

A falta enorme que um peludo faz

Independente de pandemia eu sabia que esse verão seria diferente, porque não teríamos Jojoe com a gente. Nós sempre planejamos nossos passeios de verão para incluir nosso peludo: ele viajava com a gente e ia até nos pátios dos restaurantes (fora da grade claro). Jojoe nos deixou no final do outono e durante o inverno a gente não saia na rua, então não sentimos muito a falta dele nesse sentido (i.e. de estar passeando). Mas ai as temperaturas foram aumentando, a gente foi caminhando mais na rua e frequentando lugares que íamos com Jojoe… e a dor bateu. Ele esteve com a gente 10 anos e moramos nesta casa há 8 anos, sendo que 4 deles Jojoe era filho único. Não tem como não sentir muita saudade e pensar nele sempre. E o fato de termos que ficar em casa por mais tempo por causa do isolamento social também não ajudou muito com essa saude e constantemente me pego pensando em como Jojoe estaria amando ter a gente o tempo todo em casa.

A viagem que não aconteceu

Nós não somos de planejar com muita antecedência nossas viagens. Acho que decidimos sempre 1-2 meses antes de partir. Nosso trabalho não deixa a gente planejar com muita antecedência. Porém, como fazemos 10 anos de Canadá este ano nós resolvemos planejar uma viagem diferente e muito especial, com bastante antecedência: nós iríamos cruzar parte do Canadá de carro. Nós começamos a planejar essa viagem em janeiro de 2020 e já tínhamos hotéis reservados e até o caminhão que iria trazer nosso Tesla de volta – iríamos voltar de avião. Seriam mais de 40 dias de muita diversão e tenho certeza que seria incrível e iria marcar nosso verão para sempre. Não deu certo, mas estamos planejando de fazer a parte norte de Ontario em agosto, já que viajar pela província é possível.

Como falei anteriormente este post faz parte do projeto #vidanaGTA onde eu e outros blogueiros brasileiros que moram na região metropolitana de Toronto (GTA) falam sobre um mesmo tema, todo dia 15 do mês. Espero que tenham gostado da maneira que abordei o tema e não deixem de conferir os posts sobre este assunto nos outros blogs que participam deste projeto este mês:

Livi | Baianos no Pólo Norte
Paula | Brasileira em Toronto
Reinaldo | Vivendo em Hamilton
Sandra e Claudio | Vamo Kombina

2 Resultados

  1. Eu amo cozinhar, mas confesso que estou ficando sem idéias… desde que o isolamento começou, só comemos em casa, nem drive-thru não fomos ainda… 😩

  2. Reinaldo disse:

    Eu estou bem feliz que estamos conseguindo aproveitar o verão, de forma diferente, mas ainda sim gostosa. 3 meses atrás eu também achava que passaríamos os meses mais quentes do ano dentro de casa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *