Um pedido ao Papai Noel para fazer Toronto melhor

Natal chegando por aqui e a cidade já em clima de festas de final de ano. E é neste clima que o tema do projeto #vidaemTO chega neste dia 15 de dezembro: um pedido ao Papai Noel para fazer Toronto melhor. Devo confessar para vocês que o tema me fez pensar MUITO e refletir sobre o que gosto na cidade e o que eu sinto falta, especialmente nesta época tão sentimental do ano. Abaixo segue um pouco destas reflexões e o que eu pensei em pedir para o bom velhinho, mas acabei não pedindo.

Primeiro eu pensei em pedir menos frio nesta época do ano, mas ai eu penso que Natal com neve é tão lindo e especial que eu estaria sendo um pouco sem noção ao pedir isso. Lembro do primeiro Natal que passamos aqui no Canadá – em 2011 – e como foi mágico. Naquele ano o primo do Ju e sua esposa vieram nos visitar e fomos para Mt Tremblant (estação de ski em Quebéc) para “termos certeza que pegaríamos neve”. E foi lá que curtimos muito um Natal gelado, com boneco de neve, passeio de charrete, jacuzzi, muito ski, muita diversão e até um peru de Natal digno de vó. Este Natal – e tantos outros que passamos aqui – foram tão especiais e eu sei que parte disso foi o fato de que estava frio e com neve… eu não poderia pedir isso ao Papai Noel.

Ai eu pensei em pedir para o Papai Noel que o preço das casas em Toronto baixasse, para que a gente “finalmente” pudesse comprar uma casa maior para acomodar a nossa família que cresceu este ano. Para quem não sabe do que eu estou falando, os preços das casas em Toronto aumentaram consideravelmente em 2017 e apesar de regras para conter este aumento os preços continuam altos e você não consegue comprar uma casa (detached) em uma área legal de Toronto por menos de 1,5 milhões de dólares (e olha que para este valor eu não me refiro em mansão não, mas uma casa normal). Mas ai eu me senti extremamente egoísta pois moramos em uma townhouse super fofa, que já nos trouxe tantas alegrias e histórias (como esta aqui) e consegue sim acomodar nossa família e nossas necessidades. Para saber mais sobre os diferentes tipos de imóveis que existem em Toronto clique aqui.

Depois eu pensei em saúde e em como eu tenho uma relação de amor e ódio com a saúde do Canadá em geral. Pensei em pedir um sistema de saúde mais pessoal e mais preventivo, onde a gente não tenha que procurar o médico somente quando o problema já esteja instalado e que tenhamos mais tempo para conversar e questionar nosso cuidador. Mas ai eu lembrei que este ano fiquei quase 2 meses internada no hospital antes de ter o Ian e que fui SUPER bem tratada todos estes dias, com muito carinho, dedicação e humanidade. Todos me ouviram e respeitaram meus desejos e isso foi fundamental para que eu pudesse aguentar todo este tempo dentro de 4 paredes (especialmente no verão). Então eu não poderia pedir isso ao Papai Noel, não este ano. Leia aqui como fiz as pazes com o sistema de saúde do Canadá.

Também pensei na saudade que tenho da minha família (especialmente nesta época do ano) e da cidade onde nasci – Florianópolis – e onde tenho minhas doces memórias de infância. Pensei em pedir para o Papai Noel que Toronto tivesse minha família (sempre perto de mim) e que eu pudesse ter um pouco destas lembranças aqui também. Novamente, super egoísmo da minha parte. Isso porque eu vejo meus pais geralmente 3 vezes no ano e eu tenho a sorte deles terem condições (e disposição) de virem nos visitar sempre e passar belos momentos aqui com a gente. Minha mãe, por exemplo, esteve aqui conosco 5 dos 12 meses deste ano, então não dá para ser egoísta e querer eles aqui o ano todo, afinal fomos NÓS que escolhemos vir para cá e não eles. E sobre a parte das memórias eu pensei bem e acho que hoje é Toronto que tem as memórias mais impactantes da minha vida. Foi aqui que eu virei mãe, que eu me descobri como profissional, que eu tive os maiores desafios da minha vida (pessoais e profissionais) e que eu e meu marido realmente nos tornamos muito conectados (só quem mora em um país sozinho com seu parceiro consegue entender o que estou falando). Então as memórias de Toronto são as mais fortes que eu tenho da minha vida e não poderia pedir para que Papai Noel mudasse isso de jeito algum.

Depois de pensar muito eu decidi: não posso pedir para que Papai Noel mude Toronto. E não, não estou dizendo que a cidade é perfeita (eu já contei para vocês aqui no blog que não acho Toronto uma cidade perfeita). Em Toronto temos violência (que inclusive aumentou muito no ano de 2018 como você pode ler aqui), crime, sequestros, homicídios, lixo nas ruas, mendigos, trânsito ruim e poluição. O que acontece é que eu encontrei em Toronto tudo que eu procurava: qualidade de vida, um bom lugar para construir e criar minha família, um lugar para ter uma oportunidade de criar uma carreira de sucesso na minha área, estabilidade financeira, estabilidade mental e felicidade. Encontrei tudo isso aqui e não posso pedir que nada mude, porque para mim tudo está no seu devido lugar.

E ai, gostaram do post? Como disse anteriormente este post faz parte do projeto #vidaemTO onde eu e outras blogueiras brasileiras que moram em Toronto falam sobre um mesmo tema, todo dia 15 do mês. Espero que tenham gostado da maneira que abordei o tema e não deixem de conferir os posts sobre este assunto nos outros blogs que participam deste projeto este mês:

Danielle | VidalNorte
Mariana | Virei Canadense
Paula | Brasileira em Toronto
Raquel e Rian | Vem Canada
Sil | Mundo da Sil



4 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors

Gaby, eu fiquei no MESMO dilema que você kkkk
Olhei os mesmos pontos e pensei, poxa mas isso só me beneficia, estou sendo egoista e então, também não fui capaz de pedir nada ao Papai Noel, apenas que mantenha o que temos de bom por aqui.
Amei seu post e essas fotos do Thomas estão tão liiiiindaaas… <3

Adorei! ;)

Gostei muito de como você abordou o tema, Gaby! Mas vou torcer pro Papai Noel atender meu pedido para abaixar os preços dos imóveis por aqui! ;) Bjs!!

O preço das casas está absurdo mesmo!!!! É de chorar ! Adorei sua perspectiva no post Gaby. Beijossss