O Canadá não é o melhor país do mundo para imigrantes

O Canadá é aclamado mundo afora como um dos melhores países para você imigrar. E como imigrante eu posso dizer que é sim muito bom morar aqui – apesar de não ser perfeito. Porém, uma pesquisa recente mostra que o Canadá não é o melhor país para imigrantes, e nem chega no TOP 10 desta lista.

Top Expat Destinations 2016 — infographic


De acordo com o Índice 2016 Expat Insider da InterNations os imigrantes são mais bem-vindos nos seguintes países: Taiwan, Malta, Equador, México, Nova Zelândia, Costa Rica, Austrália, Áustria, Luxemburgo e República Checa. Não, o Canadá não está entre os 10 melhores países, ficando na posição 12 desta lista.

Entre os piores países para imigrantes estão Tanzânia, Itália, Qatar, MoÇambique, Egito, Arábia Saudita, Brasil, Nigéria, Grécia e Kuwait. Isso mesmo, nosso querido Brasil está na lista como um dos piores países para receber imigrantes.

Expat Women vs. Men: The Top Ten Destinations by Gender 2016 — infographic

O infographic acima mostra as diferenças destes rankings em função do sexo – sim, infelizmente há diferenças na maneira que você é tratado se você é um imigrante do sexo feminino ou masculino. Há algumas mudanças e os países que melhor recebem imigrantes mulheres são Taiwan, Equador e Malta ao passo que Nova Zelândia, Cyprus e também Taiwan recebem melhor os homens.

A pesquisa foi realizada pesquisando mais de 14000 imigrantes de 174 nacionalidades e 191 países ou territórios que moram ou trabalham fora de seus países de origem. Os países receberam notas baseados em 5 categorias: qualidade de vida, facilidade em estabelecer-se no país, finanças pessoais, trabalho no exterior e vida em família. Há ainda várias subcategorias e o Canadá ficou bem colocado em algumas delas: bem-estar dos filhos (1o.), saúde das crianças (3o.), atividades de lazer para crianças (4o.), sendo bem recebido (6o.), segurança (4o.) e saúde e bem-estar (12o.). Dá para notar que ter crianças por aqui é muito bom – e é mesmo (e este é um dos motivos que muita gente vem morar aqui).

Continuando sobre a colocação do Canadá nesta pesquisa, na categoria trabalho no exterior o Canadá ficou na posição 23, mas na subcategoria horas de trabalho ficou em 4o. lugar com “apenas” 41h de trabalho por semana. Em relação à categoria vida em família surpreendentemente o Canadá ficou na posição 20 (digo “surpresa” pois eu sinto que os canadenses prezam muito a família e imaginei que o Canadá estaria em uma posição muito mais alta). Na categoria finanças pessoais o Canadá ficou na posição 53, indicando que não é fácil guardar muito dinheiro por aqui (e que o imigrante gasta também bastante para se estabelecer).

Achei a pesquisa ótima e é bem legal para todos aqueles que pensam em imigrar. Vale a pena ler o relatório completo (disponível aqui) e colocar na balança todos os resultados da pesquisa com as suas expectativas sobre a vida no Canadá. Claro que esta é só uma pesquisa e que a vida por aqui varia muito em função de diversos aspectos. Mas, novamente, sempre é bom ler, pesquisar e estar ciente do que outros imigrantes pensam sobre o assunto.

No geral foi encontrado que países do hemisfério sul recebem melhor os imigrantes do que o hemisfério norte. E agora eu pergunto para vocês, imigrantes e futuros imigrantes do Canadá: o que vocês tem a dizer? Como vocês são tratados por aqui? Como vocês esperam ser tratados por aqui? Vocês concordam com a colocação do Canadá? Dá para discutir bastante o assunto, que é bem polêmico e com opiniões controversas. O assunto envolve o fato de que muitos consideram os canadenses um povo frio. Outros acreditam que imigrante será sempre imigrante (e nunca irá totalmente se sentir em casa). Outros ainda acham que a facilidade em imigrar não está associada ao fato de que a vida aqui será fácil.

A minha opinião – em resumo – é que o Canadá é sim um ótimo país para imigrantes, mas não é perfeito e como em qualquer lugar há sim problemas e muitos desafios que devemos passar. Eu vou com certeza escrever mais sobre o assunto em um post futuro, aguardem. E você: o que pensa sobre o assunto? Vou adorar ouvir a sua opinião.



  • 31 Responses

    1. Ze disse:

      Morei na rep tcheca 4 anos e moro em Vienna na austria há 2 e meio. Minha esposa é canadense e tem dificuldade a se adaptar aqui pois de maneira geral o povo é grosso! Eu só estive no Canadá por 3 semanas então não da pra comprar por experiência própria mas os imigrantes que conheço que foram da Europa e do Brasil falam que é um lugar onde sentem em casa. Um país de imigrantes. Na austria tu nuca se sentirás em casa. Tem amizade com outros estrangeiros e alguns locais mas de forma férias são bem fechados aqui.

    2. Fred Gil disse:

      Bem ..Eu estou pensando em sair do Brasil..por que a situacao que estamos passando por aqui …Nao esta nada boa……Imagino que ir para um outro pais seja uma questao de adaptacao mesmo…pois sao culturas totalmente diferentes…costumes ,habitos,,logo se o pessoa se propoe a isso..nao tem jeito tem que encarar e seguir em frente…se nao tem que voltar para seu lugar…

    3. Diego disse:

      Gostaria de saber quais são os métodos mais certos na lei para sair do Brasil e ir pro Canadá.
      Tipo tenho 26 anos é casado qual seria uma dica boa para que eu não passasse necessidade no cartão Canadá…

    4. Suellen Borges disse:

      Eu não conhecia seu blog e hoje por obra do destino, achei devido a vasta pesquisa que estou fazendo justamente para uma futura mudança pro Canadá.
      Sou estudante de Eng Civil e logo estou me formando (logo, daqui dois anos rs) e o plano é imigrar pra este país. Tenho um filho de 10 anos e estou buscando uma educação melhor pra ele e oportunidades pra mim.
      E seus posts me deixou feliz. Tanto pelos elogios quanto as criticas, é um desafio que quero correr o risco.
      As pessoas respondem você aqui e dão opiniões ótimas.
      Acho que vou continuar te seguindo por um bom tempo…
      Mas de certa forma, gostaria de agradecer. Muito útil seu blog e as pessoas que te seguem.
      Parabéns e muito obrigada!
      Beijo grande!

    5. Mariana disse:

      Bom, vou deixar meu ponto de vista. Eu adoro uma pesquisa e uma estatística, sou viciadinha! Hehehe… mas um lado negativo das estatísticas é justamente a generalização. É claro que é justamente é esse o papel da estatística: tentar colocar em números um fenômeno para conseguir explicar suas nuances. Assim, é inevitável “perder” o campo da vivência pessoal. Explico em relação a esta pesquisa que você trouxe:
      A pessoa que está imigrando no país x (digamos o Canadá) não é a mesma que está imigrando no país y (digamos, Nigéria ou Equador). De onde vem o fluxo migratório para o Canadá? Qual é a vivência anterior do imigrante? Qual é o percentual para cada um desses países de pessoas que vai para estudar, que tem uma educação formal superior, prévio conhecimento da língua, etc? E qual é o percentual de quem chega clandestino, sem muito dinheiro, sem muito conhecimento da língua, almejando tão somente um emprego básico e poder comer todos os dias?
      Por outro lado, qual é o perfil do imigrante que vai para a Nigéria? Com certeza há imigrantes de vários países/continentes, mas quantos imigrantes ESCOLHEM Nigéria ou Equador como um destino? Que vida/poder aquisitivo/educação formal essas pessoas tem para poder se inserir na nova cultura?
      Quem determina o que é ser “bem recebido” e o que é ser “mal recebido”? Quem determina o que é ter vida boa ou não?
      Por exemplo, para nós que estamos no Brasil, a insegurança está em níveis sufocantes. Muitos não vemos a hora de ir embora, e vivemos com medo de ser assaltados! Mas para muitos que vem refugiados de países em guerra, poder ir e vir sem toque de recolher ou sem a incerteza de ter a sua casa em pé quando voltar ou não, já é um paraíso! Por isso entra a vivência anterior e a pergunta: de onde vem o imigrante que está chegando a esse país? Por que situações ele passou na vida? O que ele tem, o que ele teme perder, e qual é a sua expectativa ao chegar ao novo país?

      Bom, enchi o comentário de perguntas, mas falei isso tudo só para dizer que acho que a diversidade torna esse tipo de pesquisa muito subjetiva.
      Grande abraço! Adoro seu blog

    6. Alexei disse:

      Então, Gaby… em primeiro lugar eu queria te dizer que gosto muito dos seus posts mais críticos. E da sua perspectiva pela qual é possível ser feliz no Canadá mas não sem luta e superação… Muitos brasileiros dizem que buscam qualidade de vida e segurança por aqui, mas a busca de poder de compra e prosperidade material não é rara. Bem como a ideia de que o emprego e o conforto material são fáceis e fartos para todos. Somos todos fornadores de opinião e precisamos ter cuidado com a responsabilidade sobre os sonhos de quem nos acompanha…

      • Obrigada pela mensagem e pela visita ao blog. Acho que é importante expor nossa opinião e nossa história, mas os leitores tem que ter sempre um olhar crítico e a noção de que cada história é uma história e que nem tudo que acontece com uma pessoa irá acontecer com a outra.

    7. Aline disse:

      Eu acho que tudo depende com quem se relaciona e como se relaciona.. Eu vim como estudante, então acabei conhecendo pessoas de diversas partes do mundo e canadenses também. Trabalhei numa agência de Marketing e fui super bem recebida por todos, mas confesso que as vezes me sentia um pouco de fora mas acho que é pelo fato de eu saber que sou imigrante e o inglês ser minha segunda língua. E aí tem algumas coisas que as vezes vc não entende por ser uma expressão ou slang da cultura e vem aquela coisa na sua cabeça dizendo, vc é imigrante… outra coisa é lógico que sempre vai ter uma pessoa ou outra que vai ter preconceito que você vem de outra cultura e isso também é normal e em qualquer lugar, faz parte de nosso comportamento como seres humanos, de criar estereótipos de pessoas ou culturas que não conhecemos!! Mas no geral minha experiência está sendo boa!

    8. Adorando os comentários de vcs tanto aqui no blog quanto nas redes sociais. Muita gente me pergunta minha opinião e a minha experiência e eu prometo que escreverei um post sobre o assunto. Beijos

    9. Fabiana disse:

      Ótimo post como sempre. Minhas dificuldades aqui são mais relacionadas ao fato de eu não ter um histórico, (ex: crédito, profissional, networking), do que ser acolhida ou não. Então largamos uma vida financeiramente estável e confortável no Brasil pra vir pra cá e recomeçar por diversos motivos. Segurança, sonhos, qualificação profissional, educação do filho, etc. Sinto que todo dia mato um leão, mas me sinto desafiada e vitoriosa. É fácil? Não. Melhor país? ….. ambos tem qualidades e defeitos. Nunca fui mal tratada aqui por canadenses, mas já tive problemas com outros imigrantes. Acho que em 10 anos esse país estará um pouco perdido em relação a sua própria cultura…pq os
      Imigrantes vêm pra cá e querem ficar somente com os seus, vejo muitas pessoas que moram aqui há mais de 10 anos e mal falam inglês. O fato que mais pesa pra mim, é o desafio do inglês. Não poder se comunicar na sua língua, muda até sua personalidade, faz vc pensar pra falar, reformular frases. Mas estou aprendendo mais que nunca, todo dia. Inclusive a ter paciência e me dar um pouco de crédito. E a enxergar o lado bom dos dois lugares.

      • Adorei seu comentário Fabiana e me sentia assim no começo. Agora estou mais adaptada mas quando penso na minha trajetória e em todos os leões que tive que matar eu me sinto bem, muito bem.
        E concordo com vc sobre a parte do inglês: por mais fluente que uma pessoa possa ser a gente muda muito quando tem que falar com outra língua.

    10. Heberth disse:

      Um comentário extra, como turista, mas tem relação com o post em geral, acabei de passar 10 dias em Toronto e GTA e fui muito bem tratado por todos Canadenses ( nativos) que tive contato porém tive aligns problemas de falta de educação por parte de outros imigrantes , chineses e indianos principalmente (nenhum brasileiro).

    11. Isabel Weber disse:

      Muito bacana essa post Gabi! Super concordo que depende da pessoa. Até agora tive sorte e as pessoas que encontrei são incríveis. Eu realmente não tenho nada de ruim pra falar dos canadenses, mas claro que é sorte. Isso vai depender do meio que você frequenta, se achar logo seu cluster então vai ser mais fácil. Estou muito surpresa com a colocação do Brasil na lista e me pergunto o porque disso. Devo dizer que tendo me mudado dentro do Brasil algumas vezes, porém, achei bem difícil e as pessoas não eram receptivas. Ao contrário do Canadá, pra mim. Porém achei que com estrangeiros o brasileiro era mais aberto…

      • No geral eu também não tenho nada de ruim para falar sobre os canadenses e acho que eles são sim um povo super educado e inclusivo (tem que ser, até porque o país deles está cheio de imigrantes). Acho que a maneira que eles tratam os colegas e amigos é diferente da maneira que nós brasileiros tratamos nossos colegas e amigos, e isso faz com que a gente sinta algumas vezes que não é bem quisto. Obrigada pelo comentário!

    12. Fred disse:

      Acredito que esse seu post ajuda a desmascarar um pouco aquela idéia “romântica” de que o Canadá é o paraíso e totalmente receptivo. No meu ponto de vista o pais é bem mais aberto à imigração do que a média. Por questão de necessidade ou princípios (ou ambos). De qualquer forma, é um país muito bom e acho que o ponto principal para se sentir “em casa” na nova casa é um esforço absolutamente pessoal. Sempre haverá canadenses que não ficarão à vontade com um imigrante assim como haverá aqueles que darão apoio. Se puder evitar pessoas que não te aceitem direito, faça isso! Mas sempre respeitando as leis e cultura locais. Querer impor (mesmo que sem perceber) hábitos da cultura do país de origem no novo país tem grande chance de causar dores de cabeça.

    13. Ana Barbosa disse:

      Gaby, adorei o assunto. Eu concordo com a pesquisa e não acho o povo canadense o mais friendly não. Eu já moro aqui a algum tempo e não consegui fazer nenhum amigo próximo canadense mesmo. Tenho vários conhecidos, mas amigos mesmo só brasileiros e outros imigrantes.

      • Olá Ana. Eu também não tenho muitos amigos canadenses…. acho que dá para contar nos dedos das mãos o número de amigos canadenses próximos (daqueles que vem aqui em casa) que temos. E conversando com vários amigos brasileiros eles passam por isso tbem. Ainda não tenho uma opinião sobre isso mas quero escrever sobre o assunto aqui no blog.

    14. Camilla disse:

      Adorei o típico desta postagem! Me sinto de forma geral extremamente acolhida aqui e realmente percebo que alguns aumentam
      o cuidado e atenção cmgo exatamente por saber que sou imigrante. Mas sei que tudo isso é muito relativo e não é assim para todos. Pelo menos em Toronto vejo muitos imigrantes trabalhando, casando com canadenses, sendo felizes. Mas de certo não é uma das posições mais confortáveis. Imigrante precisa reaprender muita coisa que achava que já sabia da vida. Até fazer pagamento aqui é diferente do que era no Brasil, então é um processo custoso até que a pessoa se sinta confortável.

      • É mesmo Camilla. Tudo é tão relativo e obviamente o resultado de uma pesquisa como esta não pode caracterizar todos os Canadenses. Eu gostei de escrever sobre o assunto para gerar toda esta discussão e saber a opinião de alguns leitores. Obrigada pelo comentário.

    15. Tati disse:

      Eu acho que imigrante será sempre imigrante, e não é pelo fato de como os outros te tratam mas também como você se relaciona com o país. Deixe-me explicar:
      A gente chega aqui super aberto, quer conhecer a cidade, entender as gírias, fazer programa de local… Mas o tempo passa e a gente também quer comer algo do nosso país, quer contar piadas em português e dar uma folga para o “struggling” nosso de cada dia…
      Então, por mais que seja uma sociedade super receptiva e tal, vai ter momentos que nós vamos trocar isso por nossa brasilidade… e isso é normal!
      Acredito que a segunda geração já não vá ter tanto problema com isso, pois será filtrada e terá o melhor das duas culturas a disposição, mas o ponto é: seremos sempre imigrantes pq é o que somos mesmo. E isso não é defeito nem qualidade, é só um fato.

    16. Boa noite Gaby. Sou residente permanente no Canadá desde início de 2011 e só tenho a elogiar tudo por aqui. O povo é super-carinhoso! Acho que como resido em Whitby, e não numa metrópole como Toronto, posso sentir o calor humano. As pessoas passam por mim na rua dão sorriso, cumprimentam e são super atenciosas, mesmo me vendo pela primeira vez. Hoje mesmo em um shopping comprei um cachorrinho para minha netinha Victória de 2.2 anos, e no caixa uma garotinha um pouco mais de idade, se encantou com o bichinho e falou comigo, e aos sair com a mãe, voltou-se e me abraçou. Uma criança, mas jovens e adultos também agem com carinho. Só tenho elogios para esta minha segunda pátria.

    Deixe um Comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *