Projeto 6 on 6 Canada | Março 2020: Momentos da minha vida Canadense que gostaria de reviver

6on6logoRED

Hoje é dia de Projeto 6 on 6 Canada aqui no blog – e nos outros 6 blogs participantes do projeto (veja lista no final do post) – e o tema deste mês me fez pensar muito sobre a minha vida nos últimos 10 anos e os vários momentos inesquecíveis que vivi por aqui. Selecionar apenas 6 momentos da minha vida Canadense que eu gostaria de reviver não foi uma tarefa fácil, mas eu gostei muito de pensar sobre o assunto. Espero que o post inspire vocês a refletir sobre o assunto e também buscarem momentos especiais que vocês já viveram aqui nas terras do Norte.

Meu primeiro dia como estudante de doutorado da UofT

Foi no dia 13 de setembro de 2010 que minhas aulas de doutorado da UofT começaram. Lembro como se fosse hoje eu chegando na aula, perdida e não entendendo quase nada que o professor falava. A sala de aula dava para a piscina coberta do centro de esporte da Universidade e eu estava tão feliz e deslumbrada que não conseguia focar – e também não conseguia parar de sorrir. No mesmo dia que tive esta aula de fisiologia do exercício também tive uma de comunicação em saúde. Lembro onde eu sentei, lembro de chegar cedo, lembro de estar friozinho. Lembranças que aquecem me coração e que eu não quero esquecer. E seria muito bom poder reviver este dia e o quão especial ele foi.

A primeira visita dos meus pais e sogros ao Canadá

Em abril de 2011 recebemos a visita dos meus pais e sogros, assim juntos. E lembro bem que na época morávamos em um apartamento de 2 quartos e 1 banheiro, bem pequeno. Mas mesmo no aperto e mesmo no início louco da nossa vida no Canadá esta foi uma visita muito especial. Queríamos mostrar para eles que estávamos bem. Queríamos mostrar tudo que já tínhamos vivido em poucos meses de Canadá. Queríamos levá-los para passear, mostrar o que comprávamos no supermercado, onde trabalhávamos. Foram 3 semanas muito especiais, especialmente porque foi a única vez que meu sogro veio nos visitar. Tenho na memória com carinho os dias que vivemos com eles e foi muito especial ter ambos os pais conosco, porque assim tanto eu quanto o meu marido nos sentíamos completos.

O meu primeiro prêmio de pesquisa no Canadá

Quando eu fui aprovada para ser estudante de PhD na Universidade de Toronto eu lembro de sentar e refletir muito sobre esta oportunidade. Eu queria me destacar. Não queria simplesmente ganhar um diploma e pronto: queria algo mais. E eu lutei bastante por isso. Foram 14 prêmios no total e muitos momentos inesquecíveis e um orgulho enorme de mim, da minha dedicação e da minha persistência. Se eu pudesse eu reviveria todos estes prêmios, especialmente o momento que eu fiquei sabendo que os havia conquistado. Mas certamente o mais especial de todos eles foi o primeiro, porque só depois dele eu comecei a acreditar que sim, eu poderia me destacar e meu esforço e dedicação estavam sendo reconhecidos.

Nossa roadtrip maluca para ver um NBA All Star Game

DSC_7859

Eu posso dizer que nós aproveitamos MUITO nossos primeiros anos de vida Canadense. Trabalhamos e estudamos muito, mas curtimos muito também. Lembro de ficar fuçando a internet e perguntando todo mundo no trabalho o que eles iriam fazer no final de semana e quais lugares eles indicavam um passeio. Conhecemos MUITOS lugares legais e viajamos MUITO. E uma das viagens que eu mais curti e que certamente gostaria de reviver foi a roadtrip que fizemos até Houston, Texas para assistir a um NBA All Star Game. Lembro que compramos os tickets em uma quinta, sexta entramos no carro com Jojoe e dirigimos direto para assistir aos eventos de sábado e domingo. Foi uma viagem muito especial e eu sou muito grata ao blog por ter tudo isso registrado em vários posts (clique aqui para ler).

O dia que meu marido e Jojoe chegaram para ficar

Welcome Banner

Pouca gente sabe mas quando eu vim para cá em agosto de 2010 eu vim sozinha. Na época meu marido tinha um ótimo emprego no Brasil e não sabíamos se eu ia gostar do curso e me adaptar com a dinâmica de “somente estudar”, então optamos por eu vir sozinha e ele continuar trabalhando lá (uma espécie de “teste” para vermos o que iria acontecer). Eu fiquei sozinha 4 meses e o Ju veio me visitar duas vezes – e a cada vez nós tínhamos a certeza de que era aqui que queríamos ficar, construir nossa família e continuarmos a ser felizes juntos. Em dezembro de 2010 eu fui para o Brasil para passarmos o Natal e Reveillon juntos. Mas não pensem que meu marido e Jojoe voltaram comigo em definitivo pro Canadá: minhas aulas começariam na primeira semana de janeiro e eu tive que voltar para cá logo depois da virada, mas como não sabíamos se Jojoe iria dentro ou fora da cabine meu marido optou por comprar a passagem só para sair do Brasil no dia 12 de janeiro, pois até esta data a Air Canada aplicava um “embargo de inverno” que não permitia trazer animais no cargo do avião, devido ao frio. Foram 9 longos dias de espera para finalmente ter meus amores pertinho de mim, em definitivo. Todos estes momentos de apreensão e alegria foram registrados lindamente em dois posts muito especiais que meu marido escreveu aqui no blog: leia aqui e aqui. E essa foto é da nossa primeira janta juntos em casa. Que dia mais especial.

O dia que eu descobri que estava grávida do Thomas

DSC_7713

Depois do meu tratamento in-vitro para engravidar eu fiquei em repouso em casa alguns dias… e durante este repouso eu sangrei, muito. A cada sangramento eu ia perdendo a esperança. Geralmente 15-17 dias depois da transferência dos embriões você volta ao consultório para fazer o exame de sangue que irá dizer se você está grávida ou não. Eu lembro que liguei para minha médica e pedi para antecipar o teste, porque tinha sangrado e sabia que não seria positivo. Queria antecipar tudo para seguir a vida e, quem sabe, dar continuidade ao tratamento e colocar novos embriões. Ela concordou. Fiz o teste de sangue na clínica e voltei para casa, caminhei com Jojoe e estava levando uma vida normal, já pensando no próximo ciclo para fazer uma próxima transferência. Lembro do que comi e até da roupa que estava vestindo. Foi ai que me ligaram da clínica e lembro até hoje a enfermeira (que já sabia dos meus sangramentos) falando “Gabriela, você está super grávida” (pois meus níveis de beta estavam super altos). Eu lembro que comecei a chorar muito e liguei correndo pro meu marido, que não acreditou. Lembro que ele chegou em casa depois do serviço com vários testes de gravidez e eu fui correndo fazer, e todos davam positivo. Foi um momento muito especial e um dia que certamente mudou minha vida para sempre. Eu não tenho foto deste dia, então escolhi uma foto que batemos alguns dias antes do Thomas nascer.

Espero que tenham gostado do tema deste mês e não deixem de acompanhar o que os outros blogueiros que fazem parte do projeto tem a dizer sobre o assunto.

Embarque com a Pri (Priscila, Victoria)
Vidal Norte (Dani, Newmarket)
Mariana Day Blog (Mariana, Calgary)
Casei e Mudei (Elisa, Edmonton)
Vivendo em Hamilton (Reinaldo, Hamilton)

3 Resultados

  1. Adri disse:

    Wow Gaby que momentos emocionantes! Adorei! Saudades do 6 on 6!
    Bjos da Adri

  2. Elisa disse:

    Eu acompanho seu blog já faz tempo e por isso “participei” de várias viagens malucas de vocês hehe eu adoro essa disposição sua e do Juliano de estarem sempre prontos para uma aventura mesmo agora com duas crianças pequenas. Adorei o post e adorei saber um pouco mais desses momentos que você reviveria.

  3. Reinaldo disse:

    Já falei que te acompanho por aqui desde que eu estava no Brasil, e vi toda a sua história com a maternidade e as tentativas anteriores. Realmente ver o seu relato sobre a gravidez do Thomas, é bem emocionante. Receber a família aqui, e levá-los para passear também é incrível!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *