Visitando o American Museum of Natural History de New York com crianças pequenas

Recentemente estivemos em New York pela primeira vez como pais e preciso confessar para vocês: foi uma experiência intensa. Eu quero escrever um post sobre o assunto mas já adianto que achei a cidade bem pouco kid-friendly, com zero paciência para o ritmo que as crianças possuem. Mesmo assim eu não me arrependo de ter ido e voltaria mais vezes, porque eu tenho certeza que os meninos curtiram muito a experiência. E certamente o principal motivo disso foi a visita ao incrível American Museum of Natural History. O museu dispensa apresentações – quem ai viu o filme “Uma noite no Museu”? – e é uma das principais atrações da cidade, tanto para adultos quanto para crianças.

Eu já perdi as contas do número de vezes que fui para New York mas esta foi a minha primeira vez no museu. E fiquei super feliz de ter esta primeira experiência com os meninos: tanto o Thomas quanto o Ian ficaram maravilhados com tudo que viram. Talvez o ponto negativo do passeio foi que escolhemos ir no museu em um dia de muita chuva – nós e todos os turistas e moradores da cidade. O local estava muito lotado e não deu para visitar todas as salas e exposições. Mas o que vimos já nos deixou maravilhados e impressionados.

Seu tamanho impressiona

Fundado em 1869, o American Museum of Natural History possui uma coleção de 35 milhões de objetos exibidos em 46 salas espalhadas em 25 edifícios interconectados. O espaço realmente é enorme e para todo lugar que você olha há algo interessante para ser explorado e aprendido. Também gostei de saber que o museu patrocina cerca de 120 expedições anuais, 5 divisões de pesquisa e emprega 225 pesquisadores em tempo integral; ou seja, está sempre se reinventando e trazendo artefatos novos, bem como novidades diversas. Eu adoro pensar que este é um museu não somente grande mas dinâmico e que dá a oportunidade de quem ama pesquisar ter um emprego.

Sempre cheio

Escrevi acima que fomos em um dia de chuva e o museu estava bem cheio – e talvez este fosse o motivo. Mas lendo vários relatos de visitas ao local eu percebi que o museu está sempre cheio, pois é um dos lugares mais visitados de NYC. A cada ano quase 5 milhões de turistas visitam o local. O melhor de tudo é que o local é enorme então mesmo que muita gente o visite sempre haverá um espaço para você. Mas já adianto que este espaço é reduzido, porque o local é sempre cheio.

A principal dica que eu posso te dar

Eu venho repetindo no meu texto que o local é enorme e é cheio, então a principal dica que eu posso te dar é: estude o local antes de visitar e escolha algumas exposições para ir. Não tente ir em todo o museu – você não vai conseguir, mesmo se estiver sem crianças. Antes da visita eu olhei o mapa e selecionei algumas exposições para visitar, mas acabei me enrolando porque as exibições especiais tinham horário marcado para visitarmos, o que complicou o planejamento que tinha feito. Em resumo, se você não quiser passar o dia todo no museu – leia mais abaixo – escolha uma média de 5-6 salas para visitar, o que deve levar 3-4 horas para você fazer.

O que vimos e o que nos impressionou

Exibição especial do T.Rex: começamos nossa visita ao museu explorando a exibição especial do dinossauro, porque achamos que as crianças iriam curtir mais. Eles gostaram, mas não achamos que foi tudo que esperávamos. Sinceramente eu curti mais o acervo permanente que eles possuem do que esta exposição, que estava cheia e era bem escura.

Exibição das borboletas: foi colocado um borboletário dentro do museu e você entra dentro dele e interage com as borboletas. No momento que estávamos entrando no local o Ian fez um cocô explosivo e eu não consegui ir, mas nosso grupo foi e as crianças ficaram maravilhadas. Certamente uma experiência que você não pode deixar de ir se for no museu.

Salão de Vida Oceânica: certamente a sala mais linda do museu, que inclui uma reprodução de uma baleia azul – o maior animal já existente no mundo – com 28 metros de comprimento e suspensa no ar. Eu poderia ficar horas e horas nesta sala observando a baleia e curtindo todos os animais marinhos. No andar de baixo fica passando um vídeo sobre vida marinha e as crianças tem a oportunidade de correr e brincar embaixo da baleia azul.

O meteorito Willamette: este meteorito de 15.5 toneladas foi o maior encontrado nos Estados Unidos e o 5o. maior do mundo. Seu tamanho impressiona e também sua composição: todo feito de ferro, o que parece ser raro para este tipo de artefato. Vale falar que o salão dos meteoritos do American Museum of Natural History exibe a coleção mais completa do planeta.

Hall das florestas americanas: no caminho para a praça de alimentação (sim, o museu possui uma praça de alimentação) fica um corredor com várias imagens e informação sobre as florestas americanas. Certamente o que mais impressiona é uma parte de uma árvore sequóia de 1400 anos.

Hall dos mamíferos da África: passamos uma boa parte da nossa visita ao museu explorando a parte dos mamíferos da África. As crianças realmente ficaram impressionadas – e nós também. Aliás, há exposições de mamíferos de diferentes lugares do mundo, quase impossível visitar tudo de uma só vez. Realmente o acervo do local impressiona e é muito completo.

Theodore Roosevelt Rotunda: sala linda que é uma das entradas do museu. Nela você vê fósseis de dinossauros além de paredes trabalhadas e uma arquitetura belíssima. É uma das imagens que eu tinha do museu e adorei que conseguimos encontrar esta sala e fazer o registro fotográfico dela.

Discovery Room: espaço interativo para crianças entre 5-12 anos onde elas podem fazer diversas atividades e conhecer mais sobre o museu. A entrada do museu dá direito a 40 minutos dentro deste espaço. É certamente uma ótima opção para entreter seus filhos (ainda mais) enquanto estiver no museu.

The Titanosaur: o museu possui um acervo enorme de fósseis de dinossauros, espalhados em várias salas do local. Certamente um dos mais famosos e recentes é o Titanosaur, que veio parar no museu em 2016 mas só recebeu nome científico 1 ano depois, porque eles nunca tinham encontrado nada parecido. Este dinossauro mede nada mais nada menos que 37 metros e é incrível. Aliás, todas as salas com dinossauros são e certamente seus filhos irão ficar malucos.

Grand Gallery: a entrada histórica do museu na 77th Street possui uma canoa enorme e super famosa do museu. Esta canoa foi construída em 1870 por indígenas e é lindíssima, destacando-se nesta sala que é uma das entradas do museu.

Vale a pena passar o dia inteiro no local?

Certamente uma pergunta que ficou na minha cabeça era “será que vale a pena ficar um dia inteiro da nossa viagem dentro do museu?”. Eu acho que essa pergunta deve ficar na cabeça de todo mundo, já que NYC é uma cidade cheia de atrações e coisas para fazer. E a resposta é SIM, vale muito a pena. Claro que foi um dia intenso e o museu estava muito cheio, mas as crianças ficaram maravilhadas com o que viram e certamente foi um tempo enriquecedor. O único porém desta história foi o almoço: a praça de alimentação estava lotada e a logística de pegar comida era bem complicado. Mas meu marido comprou comida – arroz, feijão e peru – para as crianças e eles comeram muito. Eu acabei nem comendo porque cada vez que pegávamos um prato tínhamos que voltar para a fila e eram minutos e minutos esperando. Então, se você planeja passar o dia no local já saiba que a alimentação deixa um pouco a desejar.

Espero que tenham gostado da dica e se forem para NYC – especialmente com crianças – não deixem de visitar o museu, sempre programando seu itinerário antes da visita. Notem que eu nem falei em detalhes sobre ir ao local com crianças porque eu simplesmente não vi necessidade, já que tudo que descrevi e ilustrei já demonstra que o local é sim ideal para os pequenos. Agradeço demais ao museu por ter concedido ingressos para que eu e minha família pudéssemos ter esta experiência inesquecível. E se vocês quiserem mais informações sobre o museu é só acessar www.amnh.org.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *