Sobre os Canadenses serem “mais felizes” do que os Brasileiros

HR17_3-20-17-1 Eu sou uma pessoa extremamente feliz, mesmo nos momentos de tristeza. Você dificilmente vai me encontrar triste ou sem um sorriso no rosto. E esta é talvez a minha principal característica. E por que eu estou falando isso? Porque é engraçado como várias pessoas que falam comigo pela primeira vez já sabem que eu sou Brasileira somente por causa desta característica. E eu já recebi vários “você é Brasileira, não é?” e “sabia que você era Brasileira!” simplesmente pela minha felicidade que, segundo essas pessoas, é característica marcante do povo Brasileiro. E, quer saber, eu acho mesmo. Acho o povo Brasileiro feliz, alegre, otimista, mesmo diante de tantas coisas ruins que estão acontecendo no nosso país. E eu sinto um certo orgulho de saber que faço parte de um povo que tem sempre um sorriso estampado no rosto, diante de tanta dificuldade.

E foi por isso que eu achei super estranho o fato do Brasil ter ficado na posição 22 de uma pesquisa que saiu semana passada intitulada World Happiness Report 2017. Claro que eu fui ler o report com mais detalhes e descobri que a pesquisa não trata da felicidade do país como sendo um sentimento mas sim um estado associado à vários fatores. Entre estes fatores estão renda per capita, expectativa de vida, apoio social, confiança (medida pela percepção do povo em relação à ausência de corrupção no governo e negócios – vamos combinar que só por este fator o Brasil deve ter caído umas 20 posições), percepção de liberdade para tomar decisões na vida e generosidade (medido por doações).

Este “Relatório de Felicidade Mundial” na verdade examina as tendências nos dados que registram como as pessoas avaliam suas vidas em uma escala de 0 a 10. Os rankings, que são baseados em pesquisas realizadas em 155 países cobrindo três anos (2014-2016), revelam uma pontuação média de 5.3 (ou seja, as pessoas não estão lá tão felizes com suas vidas).

Na verdade, segundo o documento que traz os resultados da pesquisa, eles não qualificam a felicidade dos países somente baseado nestes 6 fatores (ou rankings). O que eles fazem é tentar mostrar como estas medidas de bem-estar podem gerar emoções positivas. Em resumo: se você está em um país que te dá uma boa qualidade de vida, você será feliz (isso quem fala é o estudo, e há uma explicação enorme sobre isso no Capítulo 2 do documento). Há rankings para cada um dos 6 fatores e os países que tiveram melhores escores na maioria deles foram considerados “os mais felizes”.

HR17_3-20-17-87

Os 10 países que tiveram escores nestes fatores foram (em uma escala de 0-10 sendo 10 o valor máximo de felicidade):

1. Noruega (7.537)
2. Dinamarca (7.522)
3. Islândia (7.504)
4. Suíça (7.494)
5. Finlândia (7.469)
6. Países Baixo (7.377)
7. Canadá (7.316)
8. Nova Zelândia (7.314)
9. Austrália (7.284)
10. Suécia (7.284)

Vamos começar falando do Canadá, que ficou na posição 7 desta pesquisa. Segundo o relatório o principal motivo do Canadá ter ficado em uma posição tão alta (top 10) foi o fato de que há muita tolerância e receptividade com o imigrante. E vale falar que a maioria das notícias relacionada a esta pesquisa comparava o Canadá com os USA, falando da diferença entre as posições (Canadá 7o. e USA 14o.) e também trazendo o fato de que o povo americano não é tão tolerante com o imigrante.

E agora vem a minha opinião em relação ao Brasil. Como disse anteriormente eu achei estranho o Brasil não estar nas primeiras posições quando vi somente o título da pesquisa, mas quando entendi do que se tratava percebi que o Brasil não poderia estar nas primeiras posições, especialmente por fatores como confiança ao seu governo, renda per capita e expectativa de vida. Não quero entrar em detalhes sobre o que penso em relação à qualidade de vida no Brasil, mas quero deixar aqui a minha opinião de que eu considero sim o povo brasileiro um dos mais felizes do mundo. Isso porque diante de tanta corrupção, de tanta injustiça e tanta coisa que não funciona a gente sempre está de bem com a vida, sorrindo e feliz. Portanto, em resposta à pergunta do título: o povo Brasileiro é sim um o mais feliz do mundo.



  • 8 Responses

    1. Mariana Spil disse:

      Acho que há diferença entre felicidade e alegria. O brasileiro é alegre, é capaz de rir MESMO quando as coisas não vão bem. É resiliente, adaptável, vai à luta mesmo coberto de adversidades, é otimista… acho que se ele não tivesse essas características, teria caído ainda mais nesse ranking. É diferente de ter a felicidade da tranquilidade, da paz, que outros governos proporcionam e que colabora para o bem-estar coletivo.

    2. Bruna Tabosa disse:

      Acho o Canadá maravilhoso e meu noivo e eu vamos morar aí um dia! ♥
      Buscamos um lugar onde possamos viver bem e ter qualidade de vida, segurança e o Brasil, infelizmente, está passando por maus bocados, fazendo com que não consigamos enxergar oportunidades aqui!

    3. Aldi Cantinho disse:

      Olha, não sei se somos exatamente os mais felizes, mas certamente não somos os últimos.

      Se interessa aprofundar esse “feeling”, recomendo o excelente texto publicado por um colunista Português:

      http://www.dn.pt/opiniao/opiniao-dn/miguel-angel-belloso/interior/o-paraiso-nao-esta-no-norte-5659222.html

    4. Fabiana disse:

      Eu também sou conhecida pela minha risada, um pouco escandalosa às vezes, confesso… mas mudar pra um país novo já traz tantos desafios e tantas lágrimas que ás vezes precisamos rir de nós mesmos senão a carga fica muito pesada, certo?

    Deixe um Comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *