Tem algo muito errado por ai

DSC_1062

Foto batida em 2010, Jojoe na praia do Matadeiro no sul de Florianópolis.

Quando os Canadenses que conheço me pedem para falar de que parte do Brasil eu sou eu digo orgulhosa: sou de Florianópolis, capital do estado de Santa Catarina, uma ilha no sul do Brasil com 42 praias e com uma das melhores qualidades de vida do pais. Acrescento que o lugar é muito diferente da movimentada São Paulo, da perigosa cidade do Rio de Janeiro ou da calorenta Salvador. Floripa – como a chamamos – possui um clima temperado (com um inverno gostoso mas um verão digno de Brasil), é super fotogênica e lá podemos sair nas ruas tranquilos para curtir toda a beleza natural daquele pedacinho de terra perdido no mar.

Ou não.

Quem me conhece sabe que eu não gosto de ficar expondo minha opinião política e sobre acontecimentos públicos aqui ou no facebook. Mas hoje eu vou ter que falar. Hoje me deparei com uma notícia muito triste que aconteceu em uma cidade vizinha à na minha querida Florianópolis: Ricardo dos Santos, um jovem surfista de 24 anos morreu após receber cruelmente 3 tiros nas costas em frente a sua casa na Guarda do Embaú por um policial militar.

24 anos. Pode parecer clichê falar que “ele tinha a vida toda pela frente”… mas e não tinha? Foi com 24 anos que os melhores anos da minha vida começaram: casei, comecei a trabalhar pesado, comecei a viajar frequentemente, fiz planos mais concretos para minha vida… e, infelizmente, ele não poderá vivenciar isso, ele não poderá vivenciar os melhores anos de sua vida.

É inevitável pensar que poderia ter sido algum amigo, algum familiar, poderia ter sido meus pais que ainda moram em Floripa… E me dá um nó na garganta de pensar que eu posso perder as pessoas que eu amo por causa de um sistema corrupto e falta de uma boa política. Porque é isso mesmo: um pais tão lindo e promissor está se deteriorando por falta de uma boa política, por um governo vergonhoso e porque todo mundo só pensa em ter vantagem, custe o que custar.

Eu morei em Florianopolis até os 26 anos e depois me mudei para SP e de lá para Toronto. Portanto já não moro em Floripa há mais de 6 anos e não sei ao certo como anda a situação por lá. Visito a família todo ano mas nos poucos dias que fico por lá não consigo ter uma noção clara do que está acontecendo. Confesso pra vocês que sempre que entro no facebook eu tenho medo de ler as notícias e as postagens dos meus amigos e familiares de lá e do Brasil em geral. A cada noticia que vejo como esta do surfista eu fico emocionalmente e geograficamente mais distante do Brasil.

Meu objetivo ao vir morar no Canada não era ficar longe da violência, mas hoje vejo que isso foi um bonus. Apesar de não morar tanto tempo fora do Brasil – quase 5 anos – é inevitável que eu compare a minha vida Canadense com minha antiga vida no Brasil. Já até comentei aqui no blog alguns motivos que fazem com que seja bom morar fora do seu país de origem. Mas hoje, diante de tanta notícia ruim que eu vejo no Brasil, eu fico aliviada de morar fora e não conviver com tanta falta de educação, corrupção, egoísmo, oportunismo e violência.

Não, o Canadá não é perfeito mas quando coloco na balança a quantidade de problemas sociais, ambientais e econômicos que existem no Brasil e no Canadá fica difícil querer voltar e fica difícil não ficar triste com tudo que está acontecendo com o Brasil e com a minha cidade, em particular. Eu confesso pra vocês que é triste pensar que a cidade que você nasceu, que está lá escrita com todas as 13 letras na sua certidão de nascimento, e que os seus pais estão está tornando-se super perigosa. O local no qual você cresceu, fez as primeiras amizades, aquele lugar que eu posso chamar de meu, não é mais o mesmo.

Hoje eu rezo por Florianópolis, rezo pelo Brasil e, principalmente, rezo para que Deus conforte o coração da família do Ricardo dos Santos e para que a morte dele sirva para alertar todos de que tem algo muito errado por ai. Hoje não só o mar está em luto, Toronto também está.

You may also like...

26 Responses

  1. Tiago Barauna disse:

    Gaby,

    Li esse post no dia em que você escreveu no Blog, e apenas hoje tenho palavras para comentá-lo.
    Acompanho – AMO – seu Blog há algum tempo. Posts inteligentes, fotos surreais e um carisma incrível.
    Também moro em Florianópolis, nossa Ilha da Magia. Não sou natural daqui, sou de Joinville, norte do Estado. Sempre defendi com unhas e dentes nossa Santa e Bela Catarina, suas belezas sem igual, seu povo lindo, acolhedor e feliz, sua qualidade de vida invejável.
    Mas está muito complicado, muito mesmo. Recebei agora a notícia de que uma idosa foi cruelmente morta com 14 facadas no centro de nossa Amada Florianópolis!
    Como puderam deixar nosso país desse jeito?! Quem não está vendo isso?!

    É triste, mas a conclusão que muitas das pessoas que converso chegam é que o Brasil não é mais país para se viver. Muitos estão saindo, literalmente, correndo para fora de nosso Gigante Verde e com suas belezas ímpares, pelo simples fato de uma administração suja e sem defesa da vida de cada cidadão.

    Me incluo nessa parcela de brasileiros, que choram pela pátria que adoeceu.
    Nos resta pedir a Deus, e Nossa Mãe que não deixem seu povo perecer diante de pessoas, que como muito bem dissestes, tentam tirar vantagem em tudo! 🙁

    Grande abraço Gaby!

  2. Chiara disse:

    Gabriela
    realmente é muito triste a situação no Brasil mas mesmo assim como todo lugar tem suas coisas boas. Me incomoda quando você fala daqui do Canadá como se estivesse tão lone do Brasil. Temos muitos problemas aqui sim e igualmente tristes. por exemplo a situação de Attawapiskat ou dos nativos em Winnipeg especialmente as mulheres que somem ou são mortas tão injustamente quanto o surfista no Brasil. E os políticos? Dizem sentir (tão polidos)Mas nada podem fazer porque “essas pessoas” não estão no radar. Que tipo de pais eh esse? E que permite a exploração de diamantes e deixa attawapiskat em estado de calamidade que ate a UN se manifestou.
    a diferença eh que aqui muitas e muitas cosias feias são escondidas. Mas não significa que não haja corrupção e violência.
    A minha intenção não é causar um debate mas apenas um ponto para reflexão. Acho complicado “comparar” aqui e ali e dizer que aqui eh melhor. Acredito que não há melhor ou pior. Apenas diferente. sinto pelo surfista e sua família e sinto também pelos nativos injustiçados aqui.

    • Ola Chiara. Obrigada pelo recado e pela visita ao blog. Obviamente não há lugar perfeito e você está certa em dizer que há problemas em todo lugar. Como escrevi no texto, o Canadá não é perfeito e eu sei disso. Mas em um momento de profunda tristeza e reflexão eu escrevi o texto e me senti sim, emocionalmente e geograficamente mais distante do Brasil. Florianópolis, ou melhor a Grande Florianópolis aonde o incidente aconteceu é minha terra. Eu conhecia cada cantinho da cidade e fiquei sim chocada pelo que aconteceu, por conhecer a região e por saber que poderia ter sido algum familiar ou algum amigo. A violência está tomando conta de vários lugares, não só do Brasil. Mas eu reintero que eu me sinto sim, muito mais segura aqui.

  3. Oi Gaby,

    Não sei se lembras de mim mas, se lembrar, deve ser como “Lelo”. 🙂

    Sobre o seu post, confesso que fujo o quanto posso desse tipo de notícia pois não há como suportar tanta notícia ruim.
    Evito até de assistir o Jornal Nacional. Prefiro ficar desinformado do que ficar depressivo com tanta coisa ruim acontecendo… vish!

    Gaby, queria tirar uma dúvida sobre o Canadá e não conheço pessoa melhor que você pra isso. Espero que eu não esteja te incomodando. 🙂

    Pretendo emigrar com o objetivo de fazer doutorado e não voltar mais.
    Se o Canadá for o destino escolhido, acreditas que é mais interessante ir como imigrante e depois começar o doutorado ou ir com visto de estudante já com vaga de doutorado?
    Há alguma diferença importante que devo estar ciente?

    Meus amigos sempre dizem para aproveitar o programa Ciência Sem Fronteiras, mas eu não quero ter a obrigação de voltar no término do doutorado, o que faz parte das regras do programa.

    O que me sugeres?

    Abraço!

    • Ola Leandro. Claro que lembro de vc! Espero que esteja tudo bem. Entao, se voce pretende morar aqui acho melhor nao vir com bolsa do Brasil. Eu dou dicas de como estudar aqui e como foi nosso processo de imigracao (da uma pesquisada que vc vai achar muita coisa). Basicamente vim estudar e no meio demos entrada no processo de residencia. Se vc nao tiver bolsa é melhor vir como imigrante porque a tuition é umas 4X mais para estudantes internacionais. Abracos e vamos nos falando

  4. Mayra disse:

    Olá Gabi….recentemente encontrei seu blog e estou amando….todos os dias dou uma olhada e leio um post. Meu marido e eu estamos nos organizando para nos mudarmos para o Canadá, junto com nossos três cachorros….seu blog dá dicas fantásticas! E é muito bem escrito. Vc está de parabéns! Quando a esse último post….a nossa situação no Brasil está lamentável. Violência, corrupção, má educação (formal e informal)…quanto mais a gente estuda, menos chance temos…e mais raiva passamos porque temos consciência do que está acontecendo. Sinto muito pela sua cidade….a minha (Americana, interior de SP) teve o Prefeito cassado, ficamos um mês sem coleta de lixo e milhões roubados. Servidores públicos em greve, aumento da violência e uma necessidade (até maior que o desejo) de assegurar nossa sanidade mental nos mundando do país. Triste, né? Mas obrigada por compartilhar suas experiências….tem me deixado mais próxima do Canadá. Beijos.

  5. Ana disse:

    Que tristeza tudo issp, né Gaby? A gente fica de mãos atadas, querendo trazer nossos queridos tudo pra cá. 🙁 É muito triste a gente não ter tranquilidade de morar na terra que nascemos. Infelizmente.

  6. Daniela Costa disse:

    Gabiii, desde que visitei Toronto no ano passado, passando minhas férias por aí, que te conheci e desde então, acompanho sempre seu blog, adoro, sou fã e me faz deixar cada vez mais com vontade de voltar para aí, fiquei encantada com essa cidade!!
    Nunca fui de menosprezar o Brasil, até pq moro aqui, no interior de São Paulo, mas depois de conhecer outro país, outra cultura, que tem segurança, educação (entre tantas outras qualidades) e que funcionam, passei e ter outros olhos perante tudo.
    Venho te acompanhando desde setembro/2014, mas é meu primeiro comentário aqui no blog pois esse post remete ao que penso hoje!
    Um beijo Gabi 🙂

    • Ola Daniela. Obrigada pela mensagem! Eu amo o Brasil, e meu texto foi um desabafo pois um país tão promissor, com um povo tão amoroso, um clima tão bom, rico naturalmente, etc está se afundando por causa da política, corrupção, violência. É muito triste.
      Beijos e obrigada por seguir o blog!

      • Daniela Costa disse:

        Meus olhos mudaram os focos justamente por entender perfeitamente o que diz, o que mais me impressionou quando visitei Toronto, foi ficar pasma com tudo funcionando de forma correta (não era pra ser o contrário?), o que aí é normal, aqui está longe de acontecer, infelizmente 🙁 amo muita coisa aqui; mas por esses fatos que citou que são tristes, hoje penso diferente também.. Quem sabe meu futuro também não será fora do Brasil? Obrigada pela resposta e, por todas as dicas do blog, cada uma delas me faz sentir em Toronto de novo!!! Beijoos!

  7. Ana Paula disse:

    Belo texto, Gaby!
    O Brasil se tornou um país no qual eu não quero mais viver. Me sinto uma estranha no ninho aqui, onde você tem que lutar 10 vezes mais pra conseguir alguma coisa do modo correto, honesto, enquanto os ‘espertinhos’ estão lá… nadando na impunidade. Esse não é o país que eu quero criar a minha filha. Não quero ensinar todos os valores pra ela, e quando chegar ‘lá fora’, ela se deparar com o avesso… Um país que o normal é ser desonesto, que você tem que provar que não é o tempo todo. E o pior é que a maioria da população disse que está tudo bem aqui do jeito que está. Decidimos nossa mudança no dia que saiu o resultado da eleição. Foi a nossa gota d’água. E se Deus abençoar, estaremos aí em Toronto daqui um tempo.
    Fique em paz.
    Beijos.

    • É mesmo Ana Paula… aqui é tudo tão fácil e você é tão valorizada pelo que faz, mesmo sendo imigrante que muitas vezes a gente se impressiona com coisas que acontecem aqui, mas que deveriam ser normais para nós (e não são pois infelizmente nascemos em uma outra cultura). Por exemplo, meu marido esqueceu o iphone dele no hall de um hotel na nossa ultima viagem, lembrou umas 2h depois e alguem achou e devolveu. Outro exemplo, o preço da gasolina baixou aqui (se fosse no Brasil nunca ia baixar, mas manter o preço)… e por ai vai. Beijos e obrigada pelo recado

  8. kiki disse:

    Eh prima, sempre pensei assim. Infelizmente eu ja percebi esta realidade q hj salta aos olhos ha mais de 15 anos. Já não tenho mais esperança de que as coisas melhorem por aqui. Comentei inclusive com a tia mês passado q quem tem condições como vcs devem aproveitar e ir embora. Eu só ainda não fui por ter a família aq…mas um dia irei e não pretendo voltar.
    Eh mt triste nos orgulharmos de onde viemos e nos envergonharmos da sociedade na qual vivemos.
    Quem bom vcs poderem ter paz….bjinhos no ♥

  9. Oswaldo Giacomin disse:

    Por aqui está tudo errado, menos para a Administração Pública enclausurada num individualismo que o povo parece não enchergar.

    • É mesmo, muito triste pensar que as pessoas que eu amo trabalham, trabalham, trabalham e não conseguem curtir a vida por causa desse sistema tão corrupto. Beijos pra vcs e saudade

  10. Tais disse:

    Fico triste e assustada ao mesmo tempo. Eu morei no Canada por 16 meses e voltei para o Brasil a um pouco mais de um mês e posso garantir que o maior choque é escutar varias noticias sobre violencia no pais. Que Deus ore por nosso país e meus sentimentos por perdermos um atleta brasileiro.

    • É mesmo Tais, a diferença é incrível. Aqui acontecem sim situações de violência, mas não tanto quanto no Brasil (e olha que ai eles não documentam nem 1/5 nos jornais). Beijos e obrigada pelo recado

  11. Lindo texto, Gaby. Estamos todos incrédulos de como e por que isso aconteceu com Ricardo. Foi algo que, até agora, ninguém conseguiu assimilar e compreender – talvez porque esse ato brutal que uma pessoa sem limites cometeu nem tenha compreensão aceitável.
    Estamos todos de luto não só por ele e sua família, mas por esse sistema quase que vergonhoso a qual temos de nos sujeitar todo santo dia.
    É uma pena que nossa ilha esteja assim, espero que ela não “afunde” nos seus próprios problemas ou, pior, em problemas que humanos infelizes criarem.
    Beijos mil

  12. Tata disse:

    Fiquei sem palavras com seu texto, Gabi!
    Sempre te acompanhei e sempre soube que vc escreve muito bem.. Mas realmente, dessa vez você se superou. Me senti mais perto da família do jovem e, infelizmente, ainda mais perto desse país que lentamente se deteriora. Ao contrario de você, meus planos de sair daqui são sim pela segurança ( e educação, impunidade, etc, etc) e vou fazer de tudo pra poder ter uma vida melhor. Aqui não da mais :/
    Você fez certissimo ao decidir ficar ai!

    Bjao

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *