Para-para-paradise

Nossa ida ao Brasil neste mês de setembro foi rápida e repleta de coisas boas. Uma delas foi nossa passagem – 3 dias – pelo paraiso… ou melhor, pelo Arquipélago de Fernando de Noronha, um lugar realmente mágico, que faz jus a sua fama. Impossível definir Fernando de Noronha com uma palavra: o lugar é belíssimo, a natureza extremamente exuberante, o povo muito simpático, a estadia tranquila e segura, a comida saborosa, e os passeios e praias, ah… perfeitos!

Se vocês procurarem na internet irão achar várias dicas sobre Noronha. Mas eu confesso que vocês não irão precisar de um guia de viagem, ou muita informação: a viagem pela Ilha flui e não há preocupação. Há, porém, dicas simples – a maioria delas passadas pela minha amiga Rafaella que visitou a ilha com seu marido ano passado – que são importantes na hora de conhecer Noronha. Mas só!… nada de estudar trajetos, fazer reservas com antecedência e se preocupar antes da viagem. O lema aqui é curtir e descansar. E foi isso que fizemos.

1. Como chegar: há 3 voos diários (1 GOL e 2 TRIP, sendo um deles com avião de hélice medo). Isso quer dizer que não há muita disponibilidade (apesar de todos os nossos vôos não terem vindo lotados). Marque com uma certa antecedência, principalmente se for voar de milhas. E a dica aqui é, se você pegar o vôo da GOL, sentar do lado esquerdo do avião na chegada e do lado direito na saída. O motivo você confere nas fotos abaixo (e olha que pegamos tempo instável tanto na ida quanto na volta, mas mesmo assim conseguimos ter uma visão panorâmica da ilha).

lindo

2.Taxa de permanência na ilha: os visitantes devem pagar uma taxa diária para permanecer na ilha. A taxa é cobrada de acordo com os dias de que você ficará por lá. Se por acaso, você sair antes do período programado e já tenha pago, terá direito à restituição da diferença antes de embarcar para o continente. Da mesma forma, se resolver prolongar a visita, o valor referente aos dias a mais será cobrado no dia do embarque. E o pagamento pode ser feito à vista, cheque, cartões de crédito, dólar, etc. Atualmente, o valor da taxa é R$ 43,20 por dia e deve ser pago no aeroporto no momento do desembarque ou pela internet. Existe também uma taxa de preservação que deve ser paga para fazer as trilhas e custa em média R$ 10.00. A dica para evitar fila, é pagar a taxa online. Você pode fazer isso no site do Governo de Pernambuco.

3.Pousada: a ilha é, digamos, uma zona totalmente hoteleira. Eu nunca vi tanta pousada em um local só. Na verdade, só quem pode abrir uma pousada são os nativos (sozinhos ou com alguma parceria). Diante disso, e dos altos preços na ilha, a maioria dos nativos abre uma pousada, ou mesmo transforma sua casa em pousada. Há 3 tipos de pousadas: as mais caras (com valores de diária superiores a R$1.000,00), as intermediárias, e as mais simples. Por indicação da Rafa, ficamos na Pousada Mar Atlântico, do pelotão intermediário: preço bom, recém reformada, ótima localização (perto da praça Flamboyant, aonde ficam restaurantes), café da manhã gostosinho (incluindo tapiocas) e transfer in out incluso.

4.Comidas: tudo em Noronha é caro, incluindo comida. Só para vocês terem uma noção, tomamos um picolé Fruttare de limão de R$7,00. Em relação aos restaurantes, seguindo a dica da Rafa, fomos no primeiro dia no Xica da Silva, e lá ficamos! Isto é, fomos todos os dias jantar lá. O preço é salgado, mas a comida é fantástica. Ah, não posso deixar de falar da surpresa/descoberta da viagem: eu AMO tapioca. E se você é como eu não deixe de ir na Tapiocaria, lanchonete super simples ao lado da igreja da Vila dos Remédios. Lá você pode provar todo tipo de tapioca: carne seca, queijo e presunto, queijo e goiabada, banana e chocolate, doce de leite e cocô, etc…. não é mesmo seu Juliano?!

5.Meios de transporte: apesar da ilha ser pequena, você tem que se locomover de algum jeito. E o jeito mais comum dos turistas se locomoverem é alugando um buggy. E foi isso que fizemos! Falamos com o pessoal da pousada e no dia e hora marcada estava lá o nosso buggy, velhinho coitado…. quando alugar o buggy fique atento aos horários do único posto de gasolina de Noronha, aos documentos do buggy (até nos pararam em um blitz padrão, mas sem problemas porque Ju tinha todos os docs certinho), e ao horário que você pegou o buggy (já que lá em Noronha eles só alugam por, no mínimo, 24h). Posso dizer que foi super divertido!

6.Por do sol: na minha opinião, uma das principais atrações de Noronha. Minha dica aqui é assistir o por do sol na praia da Cacimba do Padre ou Forte do Boldró, ou Forte de Nossa Senhora dos Remédios. Lembrando que Fernando de Noronha tem fuso diferente do continente Brasileiro (+1h). Cheque com os nativos quando o por do sol esta geralmente acontecendo no epoca que você está por lá (no nosso caso era entre 5:30-6pm).



7.Passeios: eu não sou fã de fazer passeios com guias, mas como não tinha lido nada sobre a ilha a saida foi fazer o Ilhatur no primeiro dia da viagem – um passeio de até 10 pessoas + 1 guia local, feito em uma 4X4, passando pelas principais atrações da ilha. E, para nossa felicidade, nosso grupo tinha apenas 4 pessoas (eu, Ju e duas meninas super queridas – Marcinha e Carol -, que acabaram virando nossas amigas). Isso fez TODA a diferença porque de cara nos demos super bem com as meninas (que batem tantas fotos quanto nós) e o guia acabou nos levando aonde queríamos. Seguindo a dica da Rafa, fizemos este passeio com a Blue Noronha e marcamos os passeios todos lá, sem problema algum. Além do Ilhatur fizemos um passeio de barco de 3-4h, acompanhado por golfinhos e com parada para mergulho livre na praia do Sancho. Super indico!

Ah, quanto ao que conhecer, conheça tudo.Tudo vale a pena e a ilha é pequena, você terá tempo de conhecer todas as atrações em 1-2 dias e ainda voltar nos outros dias nas praias que mais gostou.

As fotos abaixo mostram um pouco da beleza deste local. Enjoy!

Com Marcinha, Carol e Xaxá, nosso guia.



  • 7 Responses

    1. Marcinha Fernandes disse:

      Qto saudade dessa viagem! Lugar sensacional e em boa companhia!!! Vcs também fizeram TODA a diferença!!
      Assino embaixo de todas as dicas! Gaby tem um poder de síntese impressionante!
      Foi lembrando de tudo que tá escrito aqui que eu vim parar nessa página! Para minha surpresa ainda não tinha comentado!!
      Gaby, estamos aqui reunidos e planejando a próxima viagem em família para o Canadá (êeeeeh)! Toda a família tá de olho nas suas dicas =) Nos vemos? Bjo grande

    2. Vanessa disse:

      OI Gabi, Começei a acompanhar seu blog agora e estou adorando!
      Gosto de fotos e achei as suas lindas!
      Desculpa a pergunta.. rs, mas qual camera vc usa?
      Muito sucesso pra vc!
      beijos

    3. Carol Marinho disse:

      Sensacional o post. E sempre sinto mais um pouco de saudades. Sem dúvida uma das melhores partes da viagem foi ter conhecido vocês. Beijão

    4. Flavia disse:

      Eu tb adoro tapioca! E estou pensando em morar lá e abrir um restô a beira mar! Diferencial? Gastonomia do chef com o balanço da nutricionista ;), vou sugerir lá em casa! Lindas fotos Gabi! Inspirador!

    5. Barbara dOro disse:

      Que delicia Gabi! Saudades!

    1. 02/09/2015

      […] de 2012 fomos para o Brasil – para o batizado da nossa afilhada Alice – e acabamos passando alguns dias no paraíso. Ai tomamos gosto em viajar em setembro (pois é bem mais barato do que viajar durante o verão) e […]

    Deixe um Comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *