Tudo que você precisa saber para curtir o Cabot Trail na Nova Scotia

Attachment-1 (41)

Eu não sei se eu e meu marido estávamos loucos mas quando programamos a nossa viagem para a Nova Scotia queríamos conhecer Halifax e arredores e também explorar a ilha de Cape Breton, passando pela famosa Cabot Trail.

DSC_9037

DSC_9118

DSC_8877 (1) 2

O Cabot Trail é uma estrada cênica no norte da ilha de Cape Breton, na província de Nova Scotia. A estrada possui 298km e completa um círculo no ponto norte da ilha, passando pelas montanhas da região. A estrada foi concluída em 1932 e seu nome se deve ao explorador John Cabot, que desembarcou na parte Atlântica do Canadá em 1497. O lugar é super conhecido entre os Canadenses, embora a estrutura do local não seja nada turística. Criamos coragem e incluímos a estrada no nosso roteiro, mesmo ela estando a 4h de Halifax. E neste post eu vou contar para vocês em detalhes tudo que fizemos e vimos por lá, o que comemos e onde nos hospedamos.

O caminho de Halifax até Cape Breton Island

Nós tínhamos 3 dias para todo o passeio, e isso incluía sair de Halifax, chegar na Cape Breton Island e fazer o caminho de retorno. O percurso Halifax > Cape Breton Island é de aproximadamente 3h. E depois que você chega na Ilha ainda tem que percorrer mais 1h até Baddeck, a cidade que todos indicam para você se hospedar (e onde nos hospedamos). O trajeto que fizemos é mais rápido, onde passando pela rodovia 102 e depois a 104, que é parte da Trans-Canada Highway (a rodovia que corta o Canadá de leste a oeste). Não há absolutamente nada para ver durante o percurso, o que me deixou um pouco frustrada. Havia a opção de percorrermos parte do trajeto costeando o mar, mas ficamos com medo de ser uma estrada muito deserta (já que a estrada principal já era deserta). Portanto, não há praticamente nada para fazer no caminho.

FullSizeRender (1)

Onde se hospedar

Em todos os fóruns de viagem e blogs que vimos a dica de hospedagem era em Baddeck. A cidade fica a 15 minutos do início da Cabot Trail e é super pequena mas bem equipada. Só para vocês terem noção a cidade possui 700 habitantes e local para hospedar 600 pessoas (quase toda a sua população. Além da quantidade enorme de hotéis e restaurantes o local possui o Alexander Graham Bell National Historic Site, um museu que celebra a vida do cientista e inventor do telefone que tinha uma casa na região e se aposentou por lá.

DSC_8764 2

DSC_8792 2

Attachment-1 (40)

DSC_8794 2

Nós ficamos hospedados no Silver Dart Lodge, um hotel que possui apartamentos e cabanas bem na entrada da cidade. Nós não tínhamos muita escolha porque precisávamos de um hotel pet-friendly e não escolhemos muito, mas acertamos em cheio. Ficamos em uma das cabanas super fofas e espaçosas do complexo. A estrutura do hotel é ótima para famílias, com um gramado amplo, piscina e parquinho. O restaurante do local é delicioso e com uma vista incrível do mar. A única coisa ruim é que o café da manhã não estava incluso e custava CAD$16 por pessoa (não pegamos pois achei bem simples, com poucas opções de frutas e nenhuma opção de iogurte, que é a base do café da manhã daqui de casa).

DSC_9246 2

DSC_8734 2

DSC_8729 2

DSC_8712 2

DSC_8801 (1) 2

DSC_8809 2

DSC_8816 2

DSC_8836 2

DSC_9261 2

DSC_9275 2

A dica aqui é que você saia de Halifax cedo e consiga aproveitar o primeiro dia da viagem em Baddeck, como nós fizemos. A cidade é bem bonitinha e há um boardwalk bem direitinho na beira do mar, com direito a farol e estátua de Graham Bell com sua amada contemplando o mar. Nós ainda tivemos a “sorte” de estar na cidade em um dos dois dias do FestiVille, um festival de comida, bebida e música bem divertido. E vale falar que a cidade possui uma cervejaria local – a Big Spruce -, cuja cerveja, segundo meu marido e meu pai, é bem gostosa.

DSC_8756 2

DSC_8749 2

Attachment-1 (42)

DSC_9217 2

Attachment-1 (44)

Attachment-1 (45)

Percorrendo a trilha em 24h

Sim, é possível percorrer o Cabot Trail em 1 dia apenas. Nós fizemos isso e deu para curtir bastante. Claro que não fizemos todas as lindas trilhas que a região possui, não somente por falta de tempo mas porque muitas delas não são pet-friendly (nosso cachorro Jojoe estava com a gente) e também porque nosso filho tem somente 20 meses e está em uma fase que não quer ficar no carrinho mas também não tem pique para caminhar 4h seguidas. Então o jeito foi curtir o que deu e ficar feliz de estar conhecendo este lugar incrível da maneira que pudemos. Vou escrever abaixo os detalhes de todos os lugares que passamos nestas 24h de Cabot Trail.

DSC_8855 2

Saindo de Baddeck você pode entrar na Cabot Trail em 11 minutos, indo em direção ao Gaelic College em St. Ann (saindo da Trans-Canada Highway, a estrada 105 na Nova Scotia) ou continuando na highway até Englishtown e pegando um cable ferry que funciona 24h e custa CAD$7 para passar. Nós estávamos muito receosos que o barco demorasse para sair e optamos por “virar à esquerda” e seguir de carro pela Cabot Trail. Achei o trajeto inicial lindo, e recomendo fazer por St Ann.

Attachment-1 (43)

DSC_8857 2

DSC_8851 2

Como não tomamos café no nosso hotel a nossa primeira parada foi no The Clucking Hen Cafe, um restaurante e padaria que possui ótimos reviews e serve café da manhã completo, daqueles com bacon e ovos, além de ter várias opções de bolinhos e pães. A delícia mais conhecida do local são os butter tarts, um doce tipicamente Canadense. Os butter tarts são tortas de massa doce com recheio de manteiga e açúcar, além de outros ingredientes como nozes ou passas. São extremamente doces (na minha opinião), mas acho legal incluir esta parada para provar.

DSC_8862 2

DSC_8863 2

Depois de encher a barriga volte para o carro e dirija por um pouco mais de 1h até o Cape Smokey Provincial Park, um parque que fica no topo das montanhas Smokey e é a primeira bela parada da viagem. Há várias trilhas para você ter vistas lindas da região, incluindo uma trilha de 5km ao redor da costa (que obviamente não fizemos como descrevi anteriormente para vocês).

DSC_8867 (1) 2

DSC_8868 2

Continuando o trajeto a estrada fará uma curva bem sinuosa, onde você verá a estação de esportes de inverno Ski Cape Smokey (isso mesmo, montanha de ski na beira do mar), muitas flores e uma marina. De longe você verá um hotel lindo e é claro que não dá para não visitar. Antes de entrar na parte do hotel você passará pela entrada do Cape Breton Highlands National Park, um parque nacional que fica localizado na região. Logo após entrar no parque não deixe de ver a Ingonish Beach e o tal hotel, o Keltic Lodge. A região é linda e um ótimo lugar para estucar as pernas e bater belas fotos.

DSC_8884 2

FullSizeRender

DSC_8906 2

DSC_8908 2

DSC_8914 2

DSC_8933 2

DSC_8909

DSC_8915

DSC_8917

Tínhamos a opção de almoçarmos no Keltic Lodge (que possui um restaurante com bons reviews) ou irmos para uma região mais local e comermos algo mais simples, mas que nos daria a real idéia da vida na região. Obviamente optamos pela segunda idéia e fomos parar no Neil’s Harbour, uma aldeia de pescadores que possui um pequeno restaurante no seu final (literalmente), chamado de The Chowder House. O restaurante possui mesas de picnic ao seu redor e pudemos comer nossa chowder soup e fish ands chips apreciando o farol e a beleza do local. Vale aqui um parênteses para dizer que não há muitos restaurantes na Cabot Trail e por isso eu pesquisei bastante antes de irmos para ter certeza que não passaríamos fome. Claro que tínhamos muitas bolachas, frutas e guloseimas no carro, mas mesmo assim queríamos ter a experiência por completo, e isso quer dizer comer nos (poucos) restaurantes locais.

DSC_8964

DSC_8967

DSC_9041

DSC_8971 2

DSC_8998

Depois do almoço estávamos todos felizes e tivemos a idéia de sair um pouco da Cabot Trail e ir até a ponte norte da ilha para “ver o que tinha por lá”. Claro que já tínhamos visto que a região era muito bonita, mas não tínhamos idéia de como era longe. Nossa idéia era ir de Neil’s harbour até Meat Cove e depois voltar, continuando a fazer o Cabot Trail no sentido anti-horário. No GPS o trajeto dizia que seria de 1h mas demorou bem mais do que isso. Só conseguimos chegar até Bay St Lawrence, um porto de pescadores onde conseguimos ver uma caixa sendo puxada do mar com milhares de lagostas. De Bay St Lawrence até Meat Cove demoraria 30 minutos o trecho, então pulamos esta parte da viagem, que segundo dizem rende vistas lindas da região.

DSC_8951 2

DSC_9051

DSC_9058

DSC_9067

Depois de voltar para a Cabot Trail passamos pela parte mais famosa da trilha: a região ao redor da entrada da Sky Trail. A Sky Trail é uma trilha de 9km (que não é pet-friendly) onde você caminha no topo do morro e tem vistas espetaculares da região. Literalmente todas as fotos do Cabot Trail são deste local e, infelizmente, não pudemos fazer a trilha a pé, mas fizemos de carro e é linda. Dirigir pelo local é incrível e certamente o ponto alto do passeio – é nesta parte (entre a Sky Trail e Cheticamp) que você vai dirigir na beira do mar e conseguir ver a fantástica estrada. Ah, e vale falar que você também consegue ver parte das pessoas fazendo a Sky Trail, no topo do morro (batemos uma foto e o marido colocou a lupa do photoshop para vocês verem o que eu estou falando).

DSC_9078

DSC_9079

Screen Shot 2017-07-21 at 11.36.12 PM

DSC_9090

DSC_9097

DSC_9102

Dali fomos tomar um café na francesa Cheticamp. A cidadezinha é extremamente simpática e cheia de cafés e restaurantes. As casas são bem separadas umas das outras e segundo um local é para que, caso o vento forte leve uma, ela não destrua as próximas. Nós paramos em um café chamado Robbin’s Donut que eu nunca tinha visto antes, mas parece ter várias lojas no Canadá. A dica que todos dão é de comer na Aucoin Bakery, mas perdemos a entrada que dava para a padaria e não quisemos voltar.

DSC_9124

DSC_9136

DSC_9143

DSC_9174

DSC_9179

Por fim, a “última atração” do passeio é a bucólica Margaree. A vila é bem pequena mais super fotogênica. Se você tiver tempo vale explorar as cachoeiras, trilhas e faróis do local. Nós estávamos sem tempo e não queríamos chegar muito tarde em Baddeck, então passamos dirigindo apenas pelo local. Se você chegar nesta parte da viagem e estiver com fome a dica é a Padaria e Café Dancing Goat.

DSC_9198

Abaixo fiz um mapa com todo o trajeto que percorremos neste dia.

Vale falar que eu não sou de planejar muito os meus dias quando eu viajo – conforme conte para vocês aqui – e gosto de estar mais flexível e não ter um itinerário tão rígido. Mas, no caso desta viagem foi fundamental ter tudo planejado porque o local é bem remoto e neste caso não haveria outro jeito de fazer o trajeto em 1 dia, ainda mais com criança e cachorro. Espero que o post esteja claro e que ajude vocês a explorarem a região se este for o destino de vocês. Se quiser saber mais sobre o Cabot Trail – e assistir um vídeo lindo – clique aqui.



  • 4 Responses

    1. Barbara Viena disse:

      LINDO! E é muito caro ir para lá Gabi? Muito longe de avião saindo de Toronto? Fala um pouco dos custos da viagem se possível.

      • Ola Barbara. Depende muito do que vc acha caro. Viajamos de avião e a passagem ida e volta custou em torno de 350 por pessoa, se não me engano. Compramos com super antecedencia e saimos de Hamilton (cidade vizinha pois estava mais barato). E ai tem a alimentação (preço parecido com TO), hospedagem (CAD$150 por noite em média) e aluguel de carro (não sei quanto gastamos). Acho que é isso. Atrações vc gasta pouco porque a natureza é a sua principal atração e é free!

    2. Que lugar lindo, o Canadá é mesmo surpreendente! As fotos de vocês ficaram lindas, e o post muito bem explicado! Agora tem mais um lugar que eu quero conhecer no Canadá hahaha 🙂

      • Lindo né? Eu fiquei apaixonada por lá. Fiquei feliz de vc achar o post detalhado: acho importante ter uma boa fonte de informação para ir para lá, coisa que não achei em nenhum lugar antes de ir. Beijos

    Deixe um Comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *