Como tirar o maior proveito de sua pós-graduação no exterior

DSC_8749

Hoje eu vou falar aqui no blog sobre um assunto que é muito importante para aqueles que pensam em fazer um mestrado, doutorado ou pós-doutorado (graduate studies) aqui no Canadá: como tirar maior proveito do seu curso e como se preparar para a vida fora da Universidade. Para quem não sabe eu vim para o Canadá para fazer meu doutorado na Universidade de Toronto (2010-2014) e logo após comecei um pós-doc por aqui, que irá acabar em 2018 (consegui duas bolsas e acabei emendando 2 post-docs). Sim, a foto postada acima é linda – eu, com meu diploma de PhD no compus da UofT – mas o “depois” do diploma pode ser assustador, especialmente se você não se preparar e tiver metas bem estabelecidas. Eu já compartilhei um pouco do meu conhecimento sobre estudar aqui no Canadá com vocês em alguns posts (clique aqui, aqui e aqui e leia alguns deles), mas hoje eu resolvi dar dicas do que você deve fazer quando ainda estiver na universidade para que a transição “universidade – emprego” seja de sucesso.

O ponto que quero tocar neste post é sobre o fato que a maioria dos estudantes de pós-graduação (principalmente doutorandos) não irá se tornar um professor universitário. Antigamente as pessoas faziam um doutorado para entrar na área acadêmica mas hoje, especificamente aqui no Canadá, devido a restrições de contratação nas universidades, ao fato que os professores não estão se aposentando quando fazem 65 anos e ao número de vagas fora da academia terem aumentado os alunos estão buscando outras opções de emprego. Apesar desta realidade a supervisão de pós-graduação está geralmente baseada em um modelo de aprendizado no qual “quanto mais artigos o aluno tiver melhor” e “empregos nas universidades são suas melhores opções”. Mas, e se você não quer ser professor, como seu treinamento deve ser?

Muitos alunos ficam anos sendo treinados – meu exemplo: 2 anos de mestrado, 4 anos de doutorado, 2 anos de pós-graduação – e quando estão “fora” da academia confrontam-se com um mercado assustador, competitivo e nem sempre justo, especialmente se você é um imigrante (no caso do Canadá). O que eu quero dizer? Não pense que com um diploma de doutorado você irá conseguir facilmente um emprego por aqui. Isso não acontece. E se vocês me permitem eu posso estender esta afirmação para diplomas de college, mestrado e treinamento de pós-doutorado. Há outros fatores envolvidos com esta dificuldade e um dos mais importantes, na minha opinião, é o treinamento que os alunos possuem DURANTE os anos de estudo na Universidade, as oportunidades que eles aceitam abraçar e a orientação que eles recebem de seus mentores.

Pensando nisso eu elaborei uma lista com alguns pontos de ação que, na minha opinião, são fundamentais para aqueles que estão fazendo uma pós-graduação e querem tirar o maior proveito dos seus cursos e ter mais oportunidades após terminarem seus estudos, seja na área acadêmica ou outros mercados.

1.Esteja aberto e conheça as diferentes opções de carreiras

Durante seus estudos – principalmente nos primeiros anos – é fundamental que você defina metas para quando completar seus estudos (onde você quer chegar?), identifique nichos que você quer trabalhar (qual carreira você quer seguir?) e pense em um “plano B” (o que irei fazer se meu plano original não der certo?). Por exemplo, se você está fazendo um doutorado porque quer ser professor universitário deve estabelecer um plano de como vai alcançar este objetivo (cursos, concursos, grants) e pesquisar locais onde a área que você gostaria de dar aula oferece oportunidades. No mesmo tempo você deve pensar em um plano alternativo, visto que a área acadêmica está extremamente competitiva atualmente. Uma dica aqui é buscar ajuda e aconselhamento do seu supervisor (que na verdade deve ser mais um “mentor” durante os seus estudos). Converse com ele sobre as opções de trabalho que você tem baseado nos seus skills (seu supervisor é seu “chefe” e conhece seu trabalho como ninguém). tenha em mente que o mercado de trabalho de hoje não é o mesmo de quando seu supervisor procurou emprego, então mantenha-se atento ao que ele irá falar.

2.Tenha um plano inicial sobre sua carreira e revise-o periodicamente com seu supervisor

Muitos estudos mostram que definir metas é uma ótima atividade para alcança-las. Há várias maneiras de definir metas durante seus estudos e uma das que eu achei mais válida durante os meus foi o Individual Development Plan (ou IDP). Em português IDP significa “plano de desenvolvimento individual” e é um documento ou uma ferramenta que ajuda o aluno a explorar as possibilidades de carreira e definir metas para seguir a carreira que melhor se adapta a ele. Você pode preparar seu IDP de várias maneiras, mas sempre deve ser documentado e informado ao seu supervisor. O supervisor irá dar o feedback sobre como você irá alcançar seus objetivos e, além de tudo, irá conhecer o que você almeja (é muito bom e deixa tudo bem transparente pois seu supervisor sabe onde você quer chegar após seu treinamento). Uma dica é que você vá no site myIDP, que é uma plataforma gratuita para você montar seu plano de desenvolvimento. Depois do plano pronto não esqueça de revisar periodicamente seus objetivos e de compartilhar mudanças e progressos com seu supervisor.

3.Networking é fundamental

Ter uma rede de contatos na sua área é uma das ferramentas mais importantes para alguém embarcar em uma carreira. Isso é fato. E networking é muito mais do que seu supervisor, seu comitê científico e os colegas de laboratório. Dentro deste contexto alunos de pós-graduação devem achar tempo (dentro do seu busy schedule) para realizar atividades extra-curriculares, estágios e participar ativamente de conferências (e quando digo ativamente digo ir a diferentes palestras, conhecer pessoas e fazer contatos – e não somente ir a uma conferência por turismo). Manter seu Linkedin atualizado e participar de diferentes grupos relevantes à area que você quer se inserir é também extremamente importante. Muitas pessoas usam o Linkedin como um facebook – e inclusive possuem amigos em comuns nestas duas redes, incluindo mãe, familiares e amigos. O Linkedin aqui no Canadá é uma plataforma super importante para networking e deve ser utilizada para tal. Outra plataforma que acho ótima para network é o Research Gate (neste caso especificamente para pessoas que realizam pesquisa).

4.Entre em contato com alumni da sua instituição

Uma outra maneira de entender o que te espera após a pós-graduação (e descobrir novos caminhos que você pode percorrer) é através de reuniões e grupos de alumni na instituição que você estudou. Alumni são ex-alunos na instituição e no departamento que você estuda. Eles podem te dar uma visão do caminho que percorreram bem como podem te incentivar a continuar sua educação em pós-graduação, se houver uma clara demonstração do valor do diploma. Os perfis de pós-graduados bem-sucedidos, que contam suas histórias de sucesso, são uma poderosa ferramenta para atuais estudantes. Sempre procure os grupos e encontros de alumni na instituição que você irá estudar – o da UofT é este aqui. Vale também citar que o Linkedin tem uma ferramenta de busca de alumnis (vá em networking > find alumni no menu principal).

5.Treine habilidades importantes

Há vários tipos de habilidades que são fundamentais para que os pós-graduandos tenham sucesso, habilidades estas que vão muito além de estatística, conhecimento clínica e científico. Entre algumas das habilidades que acho fundamental treinar durante seus estudos estão: liderança e ética de trabalho. A liderança é fundamental pois geralmente durante os estudos de pós-graduação o aluno deve demonstrar habilidade de inspirar (e liderar) outros com seu conhecimento e seu trabalho. Muitas vezes o aluno pode liderar estudos – i.e. participar de pesquisas sem a revisão constante do supervisor – ou mesmo atividades e grupos. Vou usar como exemplo: enquanto estava fazendo meu doutorado organizei apresentações dos alunos de graduação no hospital que trabalho – as apresentações aconteciam 1x por mês e os alunos poderiam apresentar o que quisessem para pegar feedback dos seus colegas. Eu mesma apresentei minha tese de doutorado e foi uma ótima oportunidade de treinar e pegar sugestões dos meus colegas. Outros exemplos podem incluir: liderar pesquisas de revisão sistemática ou orientar alunos da graduação que tem interesse em pesquisa. Ética de trabalho é a segunda habilidade que cito como fundamental: durante seus anos de estudo você deve ser ético e isso irá contar muito quando você for procurar um emprego.

6.Comunique suas pesquisas com uma audiência ampla

Este é um dos pontos mais difíceis pra mim: ser capaz de dizer o que eu faço para pessoas que não trabalham na minha área. Um dos treinamentos que você deve ter durante sua pós-graduação é ser capaz de explicar sobre o que estuda para uma audiência ampla. E não, não estou falando de você explicar sua pesquisa para seus pais ou amigos que não são na área – falo para você explicar para professores e alunos de um departamento totalmente diferente do seu. E, além disso, convencê-los de que seu estudo é importante e tentar despertar um interesse neles sobre sua área de pesquisa. Neste sentido os estudantes de pós precisam passar algum tempo “fora do campus”, buscando experiências diversas. Muitas vezes um pós-doutorado nem sempre é a next best thing, às vezes um estágio em alguma empresa ou cooperativa pode ser algo importante para que a transição entre universidade e carreira aconteça. Aqui no Canadá uma das empresas que traz oportunidades para estudantes fazerem estágios em empresas é a Mitacs.

7.Duas palavras: trabalho voluntário

Eu não sei como é ai no Brasil mas aqui no Canadá o trabalho voluntário é tão importante quanto uma experiência de trabalho quando se trata de busca de um emprego. O grau de importância pode até mudar em função da área mas é sempre importante. A experiência em um trabalho voluntário demonstra o interesse do aluno em construir uma sociedade melhor, construir várias habilidades (como algumas que citei acima) e ter experiência fora da universidade. Todos pontos extremamente válidos. Muitas vezes os alunos saem da universidade, querem um emprego mas não tem “experiência” e isso pode ser uma barreira para conseguir um. Ter um trabalho voluntário no seu curriculum pode facilitar o processo e abrir os olhos do empregador. Segue uma lista de algumas instituições onde você pode encontrar trabalhos voluntários para fazer por aqui: Points of Light, Idealist e Volunteer Match. As universidades também possuem páginas específicas para os alunos que querem ser voluntários, como esta aqui da UofT. Ainda, se você é da área da saúde vários hospitais e instituições possuem páginas dedicadas a pessoas que querem voluntariar, como esta aqui da UHN.

E ai, gostaram das minhas dicas? Eu realmente tenho muita informação para compartilhar quando o assunto é pós-graduação aqui no Canadá. Deixem um recado aqui nos comentários se vocês gostam deste tipo de post e sobre quais temas vocês gostariam de ler aqui no GNC. Vale falar que as instituições de ensino superior canadenses geralmente possuem um departamento para “guiar” os alunos no processo de transição entre a universidade e o “mundo real”. No caso da UofT o departamento é esse.

You may also like...

26 Responses

  1. Sandra disse:

    Oi Gaby.

    Parabens pelo blog, realmente muito conteúdo bom e certamente confiável.

    Estou no canada a quase um ano, mas como precisava pagar as contas acabei focando em trabalhar (meu marido esta estudando e trabalhando part time).

    Agora que as coisas estão mais tranquilas, gostaria muito da sua opinião para quem quer ingressar (ja estando em vancouver) nessa carreira de pesquisa. Sou fisioterapeuta tb, mas não tenho mestrado (apenas umas pós em UTI feita no Brasil). Você saberia me dizer como ingressar nessa area? Fazendo alguma pós aqui ou mestrado? Enfim… comecei hoje minhas pesquisas sobre o assunto e se vc puder me ajudar!!! Bjs

    • Olá Sandra. Obrigada pelo recado e pela visita ao blog. Você já viu minhas dicas sobre fazer pos graduação por aqui? Dá uma pesquisada aqui no blog que tem varias dicas. Se você for residente permanente o valor do mestrado não é tão caro – tem post sobre valores tbem – e talvez esta seja uma opção. Mas não sei como funciona aí, aqui eles querem experiência com o aluno antes mesmo do mestrado então um voluntariado em pesquisa pode ser uma solução inicial. Os passos são pequenos mas depois o resultado final é grande. Espero ter ajudado. Boa sorte!

  2. Marcella disse:

    Gaby! Amei seu Post! Realizei meu doutorado em ciências farmacêuticas aqui no Brasil e atualmente trabalho em uma indústria farmacêutica. Há mais de 2 anos, eu e meu marido pensamos em imigrar para o Canadá. Estamos avaliando os prós e contas e guardando uma graninha. Ainda não sabemos se farei um College ou um Pós Doc, mas antes, queremos passar 1 mês em Toronto para estudar inglês, conhecer a cidade e ver se realmente vamos gostar daí. Gostaria de perguntar se durante esses 30 dias poderemos fazer trabalho voluntário por meio período (mesmo com visto de turista).
    Obrigada e parabéns pelo Blog!!!!

  3. Luana disse:

    Oi Gaby,
    Eu tenho mestrado em psicologia e trabalho como psicóloga hospitalar no Brasil. Meu plano era aplicar para um PhD em Toronto e trabalhar em algum hospital aí (o SickKids seria lindo! Mas estou aberta ao que for possível, claro). Você conhece alguém dessa área que possa me orientar? Me interesso pelos Cuidados Paliativos, você sabe como está esse ramo por aí?
    Obrigada!

  4. Grazi disse:

    Oi Gaby…quero muito fazer doutorado no Canadá, estou terminando o mestrado no Brasil e minha área é educação matemática…você saberia me dizer se a Universidade de Toronto tem algo semelhante ou o nome em que eles chamam “educação matemática” ae?

  5. Megghan disse:

    Gaby vc saberia me dizer como está o mercado para biólogos e físicos (master of science)? Onde eu posso me informar a respeito?
    Eu e meu marido somos formados nessas respectivas áreas e não estamos encontrando essa informação. Ótimo post esclarecedor e completo, adoraria saber mais da área academica em Toronto se possível! Obrigada

  6. Sue disse:

    Gabriela, estou me perdendo no seu blog, rsrs
    Estou indo fazer pósdoc na UBC, 1 ano prorrogável para 2. Meus planos são de ir para não voltar, me fixar aí. Mas estou mt insegura de como conseguirei isso,por onde começar, de como é o mercado acadêmico e não dá minha área. São tantas dúvidas e incertezas….
    Gostei muito das dicas desse texto.

  7. Leticia Monteiro disse:

    Eu adoro seu blog e o acompanho desde que decidi vir estudar no Canadá. Ainda estou no início do meu mestrado aqui na McMaster e achei esse post super útil! Acho que ele vai ajudar a me guiar sobre o que eu preciso fazer daqui pra frente! Obrigada! Eu gosto de todos os tipos de assunto que vc aborda aqui, acho que cada um atende a uma parte do público do blog. Aliás, suas dicas e histórias em detalhes me ajudaram em vários aspectos da minha vinda, até no transporte dos meus pets!

  8. Barbara disse:

    Olá Gabi meus parabéns pelo blog!!! Acompanho seus relatos sempre! Acabei de chegar em Toronto fazem dois dias que estou aqui…meu esposo foi transferido para Toronto. Eu apliquei para o visto de trabalho e consegui ..
    Gostaria de saber se voce tem alguma dica de onde buscar trabalho/ estudo , sou biologa e tenho especializacao em gestão de projetos.
    Desde já agradeço !!! Obrigada por compartilhar suas dicas são bem valiozas!!

  9. uliana disse:

    Oi adorei o post!!! Posso te fazer uma pergunta? Quero aplicar para o mestrado ai, mas meu currículo acadêmico é pobre. Tenho boas notas, mas nunca fui engajada em nada. E minha experiencia profissioal, não é na área do meu estudo. Porém, quero com o mestrado, iniciar a carreira que sempre sonhei.

    Como era seu curriculo universitario? Muito rico? Sera que somente os super engajados sao aceitos?

    • Ola Uliana. Sugiro então que vc faça o mestrado no Brasil, enriqueça seu curriculum e só depois venha para fazer fazer o PhD. Infelizmente para conseguir bolsa e ser aceita você precisa ter um histórico na pesquisa.

  10. Thenille disse:

    Excelentes dicas! Super legal seu texto! Eu iria amar ler mais textos sobre esse tema no seu blog! Também trabalho na área de pesquisa e descobri um mundo completamente novo aqui em Toronto quando se trata de pesquisa e inserção no mercado de trabalho! Seria super legal saber mais sobre a sua experiência, tipos de bolsa de estudo, etc. Obrigada pela sua dedicação com o blog – sou fã!

  11. Nathália disse:

    Eeee adorei o post!!! Sempre muito rico, informativo e prazeroso de ler! Nós da área acadêmica nos esbaldamos! Parabéns e obrigada pela atenção e dedicação!!!

    Já te pedi uma vez, mas vou pedir de novo :)) (Desculpe!!!)
    Gostaria que nos informasse sobre como foi seu doutorado (ou seja, de forma geral, como é o PhD aí), suas disciplinas, deveres de cada ano (qualifying papers e Teaching Assistant), o que esperavam de vc, lidar com apresentações/aula para lecionar, ir a campo para seu projeto… por aí vai???

    Obrigada pelas informações Gaby!! Gosto muito do seu blog!

    • Ola Nathalia. Obrigada pelo recado e pela visita ao blog. Eu prometo que vou escrever tudo ano por ano, mas será um post bem trabalhoso e quero fazer bem completinho, então pode demorar um pouco para surgir (a vida está super corrida por aqui – nem eu acredito que esteja escrevendo quase todo dia no blog). De qualquer maneira não perca a paciência que logo logo o post surgirá, prometo. Bom saber que tem gente interessada, dá mais ânimo em escrever sobre o assunto. Beijos

  12. Monalisa disse:

    Parabéns Gaby!! Adorei essas dicas, com certeza usarei no futuro. Essa é uma das coisas que me preocupo muito, quero muito fazer o mestrado aí mas me sinto muito insegura, não me acho pronta o suficiente ou inteligente o suficiente, e se eu não conseguir um emprego? e se o mercado farmacêutico estiver saturado, principalmente em pesquisa? Não sei como vc consegue. Boa sorte com os seus planos!

    • Olá Monalisa… obrigada pelo recado e pela visita ao blog. Acho que nunca estamos 100% prontas para o desafio que é fazer uma pós-graduação no exterior. Acho que se vc tiver planos e várias metas (e muuuuito planejamento) ajuda muito. O mercado aqui para pesquisa é bem melhor do que no Brasil (não precisa ser professor para ser pesquisador) mas é sim bem competitivo. Tens que dar 200% de ti no seu curso, fazer muito networking e estar aberta a diversas possibilidades. As vezes a primeira oportunidade não é aquela que vc queria mas pode te levar ao teu tão sonhado emprego. Enfim, planejamento, foco e muita força de vontade. Boa sorte em tudo!

  13. Gabi disse:

    ótimo post! mto esclarecedor e bem elaborado! vc eh minha inspiração gabi!
    Você tem algum post falando sobre a SUA experiência depois do Phd, mestrado e especialização? Qual caminho você seguiu? Qual é sua ocupação atualemnte? Ele foi seu plano A, ou B?
    Obrigada, sua xará! 🙂

    • Ola Gabi. Obrigada pelo recado e pela visita ao blog. Eu tenho sim um post falando do início do meu PhD (este: http://gabynocanada.com/2014/11/03/vida-apos-o-doutorado-ou-melhor-de-pos-doutorado/). Eu vou escrever mais sobre o assunto mas em resumo eu trabalho como clinical research coordinator em um hospital (part time) e faço meu pós-doc (ganhei 3 anos de bolsa e é bom pro meu CV mas por outro lado eu não sou full time no meu trabalho por causa da bolsa). Meu objetivo após o doutorado era ser mãe e agora eu vou focar na minha carreira. Ainda tenho 1.5 anos para me especializar e trilhar o caminho que quero seguir, mas se sinto bem sucedida com relação aos planos que tracei… mas tenho muito ainda que trilhar. Espero ter respondido sua pergunta. Beijos

  14. Natalia Britto disse:

    Otimas dicas, adorei!! Com certeza vou tentar coloca-las em pratica, ainda mais porque a principio eu penso mais em trabalhar fora de universidades apos meu doutorado…
    Eu adoro posts assim, e sempre muito bom ter dicas de quem ja passou ou esta passando por situações semelhantes!

  15. Helena Mendes Constante disse:

    Parabens Gabi! Adorei tuas dicas! Com certeza a vida de phd no exterior é muito mais independente que no Brasil, entao ter essas dicas ajuda muito a nao perder o foco! Beijao

    • É mesmo Helena… o aluno tem que ser muito disciplinado e ter metas bem claras para ser sucedido no final. E por ser sucedido eu digo não ter somente o diploma em mãos, mas saber qual caminho vai trilhar e conseguir achar este caminho. Beijão e semana que vem vamos combinar um skype hein? Saudades de vcs!

  16. Laila Francisco disse:

    Adorei o seu post, em Janeiro vou iniciar o meu Mestrado em London-ON e com certeza farei uso das sua dicas! Por mim toda experiência que vc puder nos passar será sempre bem vinda!!! Um grande beijo pra vc e sua familia linda!!!

    • Que legal Laila, em qual área? Eu vou (re)começar a escrever bastante sobre o assunto. Fico sempre com receio porque acho que cada um tem o seu caminho dentro da Universidade, mas se eu ajudar um pouco alguém será ótimo! Beijos pra vc tbem querida e sucesso!

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *