O bem que a sinceridade me faz

DSC_0551_1

Eu sou uma pessoa muito sincera: falo tudo que penso e quando não é possível eu não consigo ser falsa, não consigo agir como se estivesse tudo bem quando não está, ou como se gostasse de uma pessoa se ela não me faz bem. A sinceridade também reflete-se no que acontece com a minha vida: não consigo passar por momentos ruins e responder para os outros que “está tudo bem”. Quem me conhece sabe bem o que estou falando. Já fui muito criticada por isso, pois algumas pessoas acham que eu “deveria guardar meus medos e inseguranças para os mais próximos”. Felizmente eu não segui esse conselho e ganhei muito, muito com esta minha sinceridade.

Vou usar como exemplo algo muito pessoal, mas que já comentei aqui no blog: minha trajetória para me tornar mãe. Fazem 3 anos que estamos tentando nos tornar pais e depois de 2 abortos e muita sinceridade eu me sinto bem por diversos motivos, e um deles é por ter aberto para todos sobre minhas perdas e esta minha busca. Estar triste e ser sincera quanto ao motivo me ajudo a superar minhas perdas e também ajudou outras pessoas que, infelizmente, também passaram por isso. Muitas pessoas próximas de mim (amigos ou conhecidos) me mandaram mensagem privada depois que “abri” sobre minhas perdas aqui no blog falando que passaram por isso e que eu ia ficar tudo bem. Ao mesmo tempo, até hoje recebo mensagens e tento ajudar pessoas que estão passando por isso recentemente, mostrando que é sim muito triste, você tem direito a sofrer, você vai achar que não conseguirá mais ficar bem, mas que no fim tudo ficará bem.

Semana passada fui abordada por uma mulher que trabalha comigo e “queria conversar”. Ela me contou que teve um aborto e que tem se sentido muito triste, mas que não consegue se abrir com outros colegas e até familiares e pedir ajuda. E essa não foi a primeira colega de trabalho que conversou comigo sobre perdas, dificuldades em engravidar e infertilidade. Descobri que existem pessoas que trabalham comigo que tiveram que adotar (pois não conseguiam ficar grávidas), outras que fizeram fertilização in vitro, outras que ficaram 10 anos tentando engravidar, outras que possuem filhos com síndromes genéticas… mas, mais do que saber isso, eu acabei conhecendo melhor as pessoas que eu convivo, e isso foi o melhor de tudo isso.

No meu trabalho eu não pude esconder que estava grávida e que havia perdido meus bebês. Na verdade, eu não queria esconder o que estava passando para as pessoas com as quais eu passava a maior parte do meu dia. Claro que a sinceridade deve ser “seletiva”, pois não vou sair por ai escrevendo no facebook isso ou aquilo. Acho que há momento e local para ser sincera, mas é importante que você seja sincera em algum momento.

Ser sincera e abrir meu coração me fez mais próxima de várias pessoas e me fez ver que todos possuem maus momentos – mesmo aqueles que insistem em postar somente fotos felizes no facebook – e que vc não precisa sofrer sozinha, você pode compartilhar tristezas, aprender, ajudar e, com isso, viver melhor. #ficaadica

You may also like...

15 Responses

  1. Ana Cybele disse:

    Também concordo que vc não deve mudar porque essa é uma qualidade preciosa, assim como honestidade, que faço questão de prezar por ela sempre. Nada acontece por acaso, nem uma folhinha cai da árvore sem motivo maior, portanto não se deixe desanimar e tenha fé que o melhor está por vir! Vc merece! Bjos!

  2. CBC disse:

    Oi Gaby,

    Tambem estou passando por esse processo. Quatro anos tentando e 2 abortos. No Brasil isso eh tabu, ninguem fala. Se a gravidez vai bem eh so alegria, se algo acontece errado eh “jogado pra debaixo do tapete”. Alguns reagem como se nada aconteceu, outros dao um tapinha no ombro e falam que logo vc tem outro. Acho que eles nao sabem como lidar com isso; o que eh uma pena, porque nos sentimos tao tristes, e so queremos colo.
    Contudo o desejo de ser mae eh tao forte, que a gente joga a tristeza no bau e segue em frente.
    Que DEus abencoe vcs! Bjos

  3. Vandrey Pereira disse:

    Oi Gaby, tb sou catarinense e sua sinceridade é um orgulho. Não sei por que as redes sociais viraram revistas “Caras” pessoais. Por que não discutir nossos problemas e aflições? É normal ter dificuldades e crescemos quando as enfrentamos. Parabéns!!

  4. Ana disse:

    Que interessante que essa tua colega de trabalho se sentiu à vontade pra compartilhar com você sobre seus desafios, né? Acho que isso é bem bacana, ainda mais que aqui no Canadá é difícil fazer amizade da mesma forma que fazemos no Brasil. As pessoas são mais distantes, mais reservadas. Legal que você conseguiu ter essa abertura com teus colegas de trabalho.

    E sim, sinceridade é sempre bom, Gaby. Eu também perdi um bebê antes da Laura e, na época, até criei um blog sobre a condição do meu aborto (gestação anembrionária) e recebi tantos relatos de outras pessoas que passaram pela mesma situação. Acho tão legal isso que a gente faz, de compartilhar as informações, não só porque recebemos apoio dos outros, mas também pra ajudar outras pessoas que passam pela mesma situação.

    Tô na torcida por vocês! 🙂 Beijo.

  5. Mariana Dowsley disse:

    Uma vez ouvi alguém dizendo “conte um problema seu para 10 pessoas…depois ele vai parecer menor”. Não que o problema vá sumir, nem que vamos esquecer. Mas quando compartilhamos é como se estivéssemos dividindo o peso daquela “dor” com alguém…naturalmente, fica mais leve. Melhor de suportar. Já sofri muito com a minha sinceridade também e já ganhei muitos castigos quando eu era pequena em razão disso kkk Mas eu sou assim, e prefiro ser assim na verdade! Não vamos perder nada por ser assim! Torço para que tudo se resolva da melhor maneira na sua vida! Fé, sempre!

  6. Marta Rocha disse:

    Oi Gaby, fazia já um tempinho que não tinha post falando nesse assunto. Acompanhei sua história através do blog e desde então tenho torcido para que você realize esse sonho. Que Deus lhe conceda essa graça! A verdade e sinceridade é sempre o melhor caminho! Abraços

  7. Anyelle disse:

    Gaby, você é uma pessoa muito especial e suas experiências de vida ajudam a muitas pessoas . Acredite que muitas, assim como eu, tem um carinho enorme por ti, torcem pelo sucesso de seus sonhos e que pedem à Deus pelo seu bem. Beijos e seja feliz assim mesmo, como você é, sinceridade é uma qualidade e não um defeito!

  8. Gaby,
    Eu adoro posts pessoais 🙂
    As vezes tb me abro assim no blog e recebo mensagens tão bacanas de pessoas que já passaram pelos mesmos problemas ou simplesmente me dando um abraço virtual. Acho que blogs com tom pessoal são deliciosos.
    Um beijão…

  9. Natalia disse:

    Post lindo e sincero 🙂
    Também sou assim. Não mude isso, não mude sua essência. E o que for para ser, será.
    Beijos !

  10. Gaby, primeiro gostaria de dizer que sou sua fã! Acompanho seu blog já algum tempo… eu, meu marido e minha cachorrinha somos de SP e estamos indo em Maio passar 1 ano em Vancouver e seu blog nos ajudou demais em nossas pesquisas… me fez perder o medo do frio e bater o martelo na escolha do Canadá… hehehe… Mas, preciso dizer… voce conquistou meu coração com sua SINCERIDADE! O assunto “Maternidade” me pegou de jeito… eu passei os últimos 2 anos e meio sonhando com a Maternidade… fizemos tratamentos e tal, mas não aconteceu AINDA! É realmente um assunto muito delicado… é difícil de falar… e é muito difícil encontrar alguém para conversar, poucas pessoas entendem… acho que só entende quem passa (ou passou) por essa situação, lidar com uma “incapacidade” que não depende da gente. Depende de uma Força maior… não sei… já sofri tanto por essa “incapacidade”… mas, hoje prefiro apenas Viver (e olha que não sou tããão novinha, tenho 36)… e seja como Deus quiser! Eu creio que se Ele colocou esse desejo em nossos corações há de haver um propósito…
    Gaby, eu desejo todo o Amor do mundo pra voce. E muito, muito Obrigada por sua Sinceridade! Ela nos faz perceber que não estamos sozinhas! Beijo com carinho. Dani

  1. 04/08/2017

    […] no Canadá 62. Websérie Sea to Sky: vídeos de uma viagem inesquecível pelo Oeste Americano 63. O bem que a sinceridade me faz: sobre o bem que “abrir o coração” me faz 64. 10 perguntas mais frequentes que recebo […]

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *