O 2013 que ninguém te contou…

“Não tenho medo de olhar para a frente, pois você me olha e tudo faz sentido. No bolso, sempre as palavras que me servem. Nas mãos, sempre a força que preciso. Nos olhos, sempre a clareza que necessito. Na boca, sempre o beijo que me cala e me desperta. Não tenho medo do que virá, pois estamos juntos. E isso é, sim, tudo. Quem tem um amor sabe”. Clarissa Correa

Light_Thunder

A ano está acabando e junto com ele as lembranças de mais um ano que se finaliza e expectativa para o ano que se inicia (conforme escrevi um pouco aqui). Essa frase para mim é sempre sentimental e eu fico pensando em tudo que eu fiz, deixei de fazer, tudo que eu alcancei e aquilo que eu ainda quero conquistar. Poucos sabem, mas o meu 2013 não foi nada fácil – talvez o ano mais difícil da minha vida – e quando eu olho para tudo que aconteceu eu nem acredito como eu consegui terminar o ano bem e esperançosa para 2014. Não, 2013 não foi um ano difícil por causa do meu trabalho ou do meu estudo. Não foi isso… 2013 foi um ano difícil porque perdi meu bebê, meu segundo bebê.

Eu tenho que admitir que hesitei (muito) antes de decidir escrever sobre momentos tão pessoais como este aqui no blog. Eu sempre senti como se a escrita fosse uma forma de aliviar momentos difíceis na vida. No geral e de uma forma pessoal, escrever aqui não é somente uma forma de lidar com os acontecimentos, mas também atualizar todos aqueles que eu sei que realmente se importa comigo e com a minha família. Até porque diante da vida agitada que todos temos é muito difícil ficar em constante comunicação com todos individualmente, especialmente em momentos difíceis (quando a gente não tem vontade de falar com ninguém). Apesar de ficar um pouco preocupada por ter tantos momentos pessoais visíveis publicamente eu percebo que “tudo que aconteceu em 2013 e irá acontecer nas nossas vidas não precisa ser escondido, e eu não preciso me envergonhar ou ter medo do que os outros vão pensar”. Pelo contrário, expressar minha dor, meus sentimentos e minha perda aqui pode, de alguma forma, ajudar outras pessoas que estão passando por lutas semelhantes.

Eu mantive minha gravidez em segredo por diversos motivos, que não cabem escrever aqui. Porém sempre senti que este silêncio não fazia parte de mim. Meu objetivo com este post não é explicar detalhadamente como eu perdi meu bebê, mas mostrar que mesmo diante dos acontecimentos ruins em 2013 eu ainda consegui (e consigo) sorrir, amar e viver a vida intensamente. Eu nunca tive medo de expor meus sentimentos, meus medos e os desafios que a vida impõe para mim; pelo contrário, tudo que vivi e vivo hoje me faz uma pessoa melhor, e achei necessário expor isso aqui no blog. Obviamente este ainda é um assunto que me deixa triste, mas tudo que aprendi durante este último ano me tornou mais forte e me fez perceber que não podemos controlar nada e Deus é o único que sabe nosso destino. Também percebi como tenho pessoas maravilhosas ao meu lado – meu marido (minha força), minha irmã, meus pais, minha sogra e alguns familiares e amigos. Realmente são nos momentos difíceis que sabemos quem realmente é leal a você. Foi devido ao apoio deles que hoje eu aguardo positiva 2014… e que ele venha cheio de paz e, principalmente, esperança.

**A foto que coloquei no post foi tirada em Banff, Alberta em agosto de 2013 (no observatório mais alto da cidade durante uma tempestade), 1 mês depois de perder meu bebê e acredito que combina muito com o que escrevi neste post: a beleza da natureza com a tempestade, e eu enfrentando tudo e não deixando me abater, sempre olhando tudo de cima e encarando, como devemos sempre fazer com nossos problemas.



  • 27 Responses

    1. Oi Gabriela! Ao ler seu depoimento parece que o tempo voltou há 10 anos atrás em que me vi numa situação semelhante a sua e por isso me vi encorajada a lhe contar a minha história. A Antônia ( que você conhece) foi a minha sétima gestação.Já tinha perdido bebês em diversas fases da gravidez alguns sabia o sexo ( nomes escolhidos) outros não, mas todos acompanhados de sofrimento e medo de nunca conseguir alcançar o meu sonho. No início eu escondia todas as gestações com medo de gerar expectativas em mim e nos outros. Todos me questionavam porque eu ainda não tinha filhos que era casada a tanto tempo e eu sempre desconversava e inventava uma desculpa qualquer, até que um certo dia uma pessoa me perguntou e eu resolvi contar toda a minha história,ela ficou um pouco chocada já que não éramos íntimas mas aquilo para mim significou a minha libertação de todos os fantasmas que tanto me amedrontavam no dia a dia. Só sei te dizer que pouco tempo depois parti para minha sétima tentativa que me trouxe minha filha Antônia hoje com 6 anos. Saiba que a partir do momento que você abre o seu coração para a sua verdade tudo começa a fluir de forma mágica. Estou aqui na torcida e com a boa impressão de que tudo dará certo independente do grau de dificuldade. Acho que não foi por um acaso que descobri seu blog e pude ler seu depoimento. Espero que eu tenha ajudado de alguma forma. Beijos , Feliz Ano Novo. Bettina , sua vizinha

      • Gabriela disse:

        Ola Bettina. Obrigada pelo recado e pela visita ao blog… eu sinto muito pelas suas perdas, muito mesmo. Quando perdi meu primeiro bebê eu recebi mensagem de várias pessoas (amigas e desconhecidas) contando que perderam tbem sua primeira gestação. Achei que era algo normal… quando fiquei grávida novamente eu achei que tudo iria dar certo… mas infelizmente a vida me pregou mais uma peça e não pudemos ter nossa menina. A dor de perder 2 partes de mim foi enorme e eu não consigo imaginar o que vc passou… mas agradeço por vc compartilhar sua história (eu não sabia) e fico feliz que o final dela foi mais do que maravilhoso: Anttonia é linda, super inteligente e uma das crianças mais educadas e fofas que eu conheço. Obrigada pela mensagem de carinho e esperança e vamos mantendo contato! Beijos para vcs e um 2014 repleto de coisas boas!

    2. Lucianna disse:

      Gaby, eu entendo muito bem a sua dor e compartilho ela, um dia eu ainda conto no meu blog todo o meu segredo e sofrimento, mas no momento eu prefiro manter a fé e a esperança de que as coisas acontecem na hora certa, mas tenho que admitir uma coisa pra você. Toda vez que venho no teu blog, venho com uma certa esperança de ler a notícia de um bebê. E que 2014 traga essa boas notícias para seus leitores, pois tenho certeza que tem muita gente que torçe da mesma forma que eu.

      Boa viagem!

    3. Débora disse:

      Oi Gaby! O meu carinho pra vocês e lembre-se sempre: ” A vontade de Deus nunca irá levá-lo aonde a Graça de Deus não irá protegê-lo!” Curta muito o seu período aqui no Brasil e que venha 2014 com muitas alegrias! Bj!

    4. rdoan disse:

      Tenho tido aulas de português durante um ano aqui em Toronto (é uma língua difícil!) e comecei ler o seu blog para melhorar a minha compreensão. Depois de semanas descobri que eu trouxe as suas impressões do Canadá muito interessantes. Mas eu trouxe esta entrada comovente e corajosa. Concordo que é importante partilhar os nossos momentos difíceis para ajudar todos a superar os desafios de vida. Os melhores votos de um bom ano de 2014 para você e para a vossa família.
      Richard
      (Desculpe o meu fraco português)

    5. Adriane disse:

      Oi Gaby
      É muito legal ver a sua força e sua visão positiva mesmo nos momentos tão difíceis como estes que vc passou. Não nos conhecemos pessoalmente, mas torço por vcs, para que 2014 seja um ano que te recompense por este 2013 difícil.
      Stay strong,
      Adri

    6. Letícia disse:

      Apesar de eu dizer tantas vezes e tantas coisas, dessa vez eu só vou resumir em uma frase tudo o que significa para mim: você é o meu maior orgulho e minha fonte de inspiração.
      Beijo da afilhada que te ama demais!

      • Gabriela disse:

        Oh Lê, nem sei o que responder! Agradeço muito a força que vc me deu e te amo muito!!! Te vejo semana que vem, oba!!! E parabens mais uma vez pelo mestrado!!! Orgulho da dinda!

    7. Catherine disse:

      Todos passamos por momentos difíceis na vida…desejo que em 2014 vc possa continuar vivendo intensamento e, que quando menos esperar, tenha um bebe em seus braços..

      Tudo de bom !
      abraços;
      Catherine

    8. Lismara disse:

      Gaby, me emocionei com o post, tanto o que você escreveu quanto a foto. Te admiro demais, e garanto que todos que acompanham seu blog também te admiram. A vida é feita de altos e baixos… se ela fosse feita só com altos, a vida seria normal demais e nós não saberíamos valorizar os momentos bons e aprender com os momentos ruins.
      Cada um tem seu jeito de conviver com os assuntos íntimos. Uns guardam para si e não desabafam para ninguém, outros compartilham com os demais. O que importa é se sentir bem e não ligar para os invejosos e os fofoqueiros, que vão existir independente da escolha (desabafar ou não).
      Lembre-se que as pessoas realmente essenciais se importam com você em todos os momentos, sejam eles bons ou ruins.
      Continue sendo essa pessoa maravilhosa que você é… determinada, confiante e tudo mais. E claro, cheia de admiradores hehe!
      Beijos!

    9. Ana disse:

      Oi Gaby,
      Comecei a ler teu blog a pouco tempo e me apaixonei. Tu tens uma forma de escrever que faz com que aqui do outro lado a gente consiga sentir como tu és, cheia de vida, alegre, realmente preocupada com o bem-estar dos outros, amorosa, feliz. Hoje resolvi comentar pra te dizer que como leitora fiquei triste com tudo isso que aconteceu, porque por já saber do teu jeito de ser, imaginei o quanto isso te deixou mal. Mas justamente pelo teu jeito de ser, é que sei que o ano que vem e todos os outros serão tirados de letra por ti. Sinto que tu tens uma energia, uma vontade de viver, transbordando amor. Por isso sempre que tiveres em dúvida sobre escrever coisas pessoais por aqui, saiba que tem gente lendo que realmente se importa contigo, e invejosos sempre vão existir. Mas se formos deixar de fazer alguma coisa por causa deles não faremos nada. Te desejo muito sucesso no ano que tá chegando, tenho certeza que terás muitos posts contando novidades, alegrias, viagens, descobertas e tudo mais. Um beijo, Ana.

    10. Carol disse:

      Oi Gabi, obrigada por dividir nao soh os momentos bons aqui no blog mas tb os momentos dificeis pois assim eh a vida. Saiba que seus posts me inspiram (seja pra conhecer um lugar novo ou tirar mais fotos) e desejo um 2014 de muitas felicidades, esperanca renovada e que Deus ilumine vc, hubby, jojoe e toda a familia. Bjs

      • Gabriela disse:

        Obrigada pelo carinho Carol. Eu tbem adoro seus posts no facebook e seus videos animados! Te desejo tbem um 2014 especial!!! Beijos para vc, marido e um especial para Neve 🙂

    11. Arthur Lyra Araujo disse:

      Fiquei muito triste quando soube que você havia perdido seu bebê, Gaby.
      2014 será um ano abençoado, se Deus quiser. É incrível como o final de um ano consegue nos trazer novas energias, nos faz parar pra refletir e projetar o novo ano que chega.

      Que Deus abençoe a você, o Juliano, o Joe e toda a sua família.
      Seu blog foi muito importante durante esse meu ano aqui em Toronto, com as dicas de passeio, viagens, dicas sobre a UofT e Toronto no geral.

      • Gabriela disse:

        Ola Arthur. Obrigada pelo carinho! Este foi um dos motivos que meu 2013 foi enrolado e não consegui me encontrar e conversar mais com vc e Camila. Mas fico feliz que, de certa forma, eu fiz um pouco parte da experiencia canadense de vcs. Sucesso e um 2014 cheio de coisas boas!!!

    12. Roberto disse:

      oi Gabi, bonito seu relato. São sentimentos fortes mesmo .
      Sigo seu bloq e gosto muito. Meu filho te viu no subway outro dia!
      forte abraço
      Roberto

    13. Rafaela Sampaio disse:

      Olá Gaby
      Comecei a acompanhar seu blog há pouco tempo. Gosto muito da forma como escreve e dos assuntos abordados.
      Entendo seu receio em compartilhar um assunto tão íntimo e doloroso, mas falar sobre o assunto é uma forma de se curar também.
      Sou enfermeira obstétrica e já vi muitas pacientes nessa situação, mas que depois voltaram grávidas pra realizar o grande sonho de ser mãe. Inclusive pessoas próximas a mim.
      Não sei o que aconteceu, mas quero te dizer que tenha fé em Deus.
      Tudo acontece na hora certa e tenha certeza que seu grande dia vai chegar.
      BOA SORTE, é o que sempre digo para as pacientes quando chega a hora.

    14. tatileite disse:

      Não há o certo a dizer aqui. Apenas quero que você saiba que torço muito por você sempre. Nos conhecemos pouco mas sempre serei grata pela maneira como você me recebeu e suas sempre lindas palavras.

    15. Helena disse:

      Perfeito! Post e foto reaalllyy match! Cada ser humano expressa seus sentimentos de alguma forma, uns preferem silenciar outros falar aos quatro ventos. Fato é que quem julga e quem se saboreia com as dores e os problemas dos outros não merece 1 segundo perdido desse tempo precioso que nos foi concedido nesse plano terreno. Fato é que tanto com a inveja preta ou branca… só nos tornamos fortes se pensarmos naqueles segundos preciosos de vida.. com quem e com o que vale perder? Eu ultimamente estou escolhendo ganhar segundos e não pensar que os perdi. Acho que ninguém faz isso com maior maestria que você Gabi! Inspiração e determinação! Palavras que te descrevem muito bem! llive each second because today is more important than yesterday and tomorrow, love yourself so you can love those near you and receive all their good energy, smile as much as you can so each smile becomes a long lasting laughter! Feliz 2014!! Conte sempre comigo.

      • Gabriela disse:

        Obrigada pelo carinho amiga. Vc foi uma das amigas que mais me ajudou e nunca vou esquecer do seu apoio. Um 2014 cheio de coisas boas para nós!!! Beijos

    1. 05/03/2014

      […] 2013 fiquei grávida novamente e, como havia perdido o primeiro bebê eu fiquei com um pé atrás e desta vez a gravidez foi mais […]

    2. 15/09/2015

      […] 27 […]

    3. 19/06/2017

      […] com pessoas, desafios e a vida) que eu achei que era essa a minha resposta. Durante meu PhD eu perdi dois bebês e achei que essa seria a minha sina – vir para Toronto para aprender a perder, esperar e […]

    4. 06/07/2017

      […] ano de 2013 não foi fácil… e tudo de ruim aconteceu bem na época do 1 de julho. Lembro que estávamos com a família […]

    Deixe um Comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *