2 anos

Confesso pra vocês que pensei muito sobre o que iria escrever neste dia 30 de agosto, dia que “comemoro” 2 anos no Canadá (sim, primeira pessoa do singular, porque meu plural só chegou em Toronto no dia 13 de janeiro de 2011). Em primeiro lugar, teria que ser algo feliz, pra cima, porque é realmente uma data especial e, como tal, deve ser super comemorada. Ai pensei: quem sabe saio pra jantar com o Ju, ou fazemos uma janta aqui em casa mesmo para comemorarmos… mas, com a correria da entrega do meu projeto de PhD (entregue, ufa!) e com a viagem para o Brasil (vamos amanhã!) não deu pra fazer nada disso. Então, minha saída foi pensar sobre tudo que mudou nestes 2 anos Canadenses e sobre tudo que me aconteceu nesse tempo fora do Brasil e, obviamente, escrever sobre isso aqui no blog.

Neste caso, penso nos 2 anos como a metade de um ciclo (já que é a metade do meu curso de Doutorado e este foi o motivo principal, mas não o único, de virmos morar aqui)… mas certamente não a metade da nossa vida Canadense. É no Canadá que estamos vivendo os melhores anos das nossas vidas juntos (e sei que posso dizer isso pelo Ju e pelo Joe), e é no Canadá que estou me (re)descobrindo como profissional, estudante e cidadã do mundo. Viver em uma cidade tão conectada e aberta ao mundo me dá a oportunidade de pensar alto, de pensar além, de buscar cada vez mais: mais conhecimento, mais cultura, mais desafios, mais respeito, mais inteligência, mais vontade de explorar o mundo… Pode parecer besteira, mas é incrível o alívio e a liberdade (sentimental e mental) que eu tenho vivendo e estudando aqui. Hoje não me contento em aprender tudo na sala de aula; eu vou atrás, busco a fonte da informação em todos os locais (e aqui em Toronto consigo encontrar fontes e pessoas acessíveis para todas as minhas perguntas). Hoje não me contento apenas em viajar para um local e bater fotos, hoje eu quero ir para este local, explorar sua cultura, entender seu povo, experimentar sua culinária; e, ao voltar para a “minha cidade’, eu quero colocar em prática tudo que vi e aprendi, seja indo a um restaurante típico, conversando com alguém desta cultura, ou pesquisando algo na Biblioteca, num Museu, ou em um Festival. Hoje eu e meu marido sabemos que o mundo é muito maior do que uma cidade (ou uma ilha no sul do país), um (dois, três, quatro) paises e nós sabemos que nossa vida será repleta de novas descobertas, de novas vivências, de diferentes situações.

É claro que minha vida aqui não é 100% (sinto muita falta dos meus pais, minha irmã e minha família), mas é bom saber que eles nos apoiam e estão muito felizes com a nossa felicidade aqui no Canadá.

Toronto hoje tem cara, cheiro e jeito de lar. Seja quando alguém lhe pede uma informação e você sabe dar as coordenadas corretas; seja por você reconhecer o significado daquela palavra estranha pronunciada no meio de uma frase; seja por você já ter um número de amigos cuja contagem não cabe mais nas mãos; seja por você já ter o seu restaurante favorito; por saber de cor o nome das estações de metro; ou por ter planos para os próximo 2,5,10 anos (não necessariamente nesta mesma ordem)…

Toronto hoje é a minha/nossa casa. E como eu AMO morar aqui com meus amores.

You may also like...

7 Responses

  1. laiza disse:

    alívio e liberdade!!!!! adorei o post!

  2. Letícia Giacomin disse:

    2 anos matando a gente de saudade! Mas não é qualquer saudade, é daquela saudade boa, feliz, realizada. Daquela que, quando a gente se lembra da pessoa, imediatamente vem um sorriso no rosto e um pensamento bom. Porque sabemos o quanto estais feliz aí e, inevitavelmente, faz com que estejamos felizes aqui também. E, de certa forma, faz também com que pareça que estais tão perto, tão aqui, no nosso coração. Eu fico muito orgulhosa de a minha dinda ser uma cidadã do mundo e estar crescendo cada dia mais – seja profissional ou pessoalmente.
    E falando em saudade, ela existe para ser matada, não é mesmo? Então até o final de semana!
    Boa viagem!
    Beijos

  3. KIKI disse:

    Que lindo Gabi…vc é simplesmente FELIZ!!!E esta sua felicidade traduzida em palavras é contagiante!!!Bjs guria…tomara que eu consiga te dar um abraço neste findi…:)

  4. Helena disse:

    Oi Gaby!! Adorei ler o teu post! Começando o mestrado agora e acabei de voltar da BU com 9 livros (jesus) entendo tudo o que você fala sobre ir buscar conhecimento, ler cada vez mais artigos, procurar conversar cada vez mais com as pessoas sobre a vida, futuro, carreira… Quando visitei vocês vi que vocês estão super bem e eu mesma ti falei que me senti muito em casa.. vocês construiram ai em Toronto um lar super aconchegante e que com certeza deve ser uma experiencia maravilhosa. Sabia que tens o apoio dos teus amigos também.. tenho muito orgulho em conhecer vocês três (jojoe também porque eu amo ele) mas principalmente pois as escolhas que você fez são muito parecidas com as que eu sempre sonhei.. e ver você concretizando.. me da muita força pra seguir em frente… =) NAO VEJO A HORA DE VE-LOS!! EEEEEEEEEEEEEe =)
    mega beijo a todos e uma otima viagem

  5. lulicaferraz disse:

    Gaby… simplesmente… MARAVILHOSO seu post… não tenho a noção como voce ( pelo tempo que você ja se encontra fora do Brasil), mas em cada palavra sua é como se eu vivesse esta sensaçao ainda mais quando você falou que sua vida ai não é 100% pelo fato de estar longe da família, das pessoas que amamos, enfim.. sinto isso a maior barreira no momento.. tentar superar, o que não é facil, mas é como você disse saber que as pessoas que amamos torcem pela gente e estão felizes com isso!! Nos enche de alegria e força para superar tudo e qualquer dificuldade!!… seu post veio na hora certa para mim.. estava precisando ler algo assim.. motivador…… sabias palavras… bjusssss e boa viagemmm curta a terrinha por mim!!!

    • Gabriela disse:

      Que bom Lu… o começo é mais dificil, depois vc aprende a superar a saudade. O bom é que quando vc encontra sua familia é sempre aquela felicidade, festa, momentos bem vividos!
      Beijos e tudo de bom pra vcs!

  1. 15/09/2013

    […] tudo isso é certo e eu sempre refleti bastante sobre o tempo aqui no blog (leia aqui, aqui e aqui). Mas especialmente depois de morar 3 anos no Canadá, o tempo me faz especialmente refletir e […]

  2. 11/08/2015

    […] ano eu escrevi um espécie de poema sobre nossa mudança (de cidade, de vida, de valores). No segundo ano eu fiz uma colagem com fotos de momentos especiais em Toronto e falei de como aqueles dois anos […]

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *