Modelo de felicidade?!

IMG_7691

Cada dia está menos fácil viver rodeado de gente. Isso porque, parece que virou moda dar palpite na vida do outro. Sobram faladores e falatórios e parece que a cada dia que passa você tem mais e mais pessoas para dar satisfação do que faz ou deixa de fazer. Cobrança, falta de respeito, fofoca, tudo isso está cada dia mais e mais comum. E isso me deixa muito triste, de saber que respeito está cada vez mais raro neste mundo…

Se você está sozinha: “por que não tem um namorado?”… Se já está com alguém: “estão namorado?”… se já namora a algum tempo: “quando sai o casamento?”… depois de casados: “quando vem o bebê?”… depois que o bebê nascer: “quando ele vai ter um irmãozinho?”.

Se você mora fora, a coisa piora ainda mais: “por que vocês se mudaram?”, “quando irão voltar?”, “mas vocês pensam em voltar?”, “deve ser difícil morar fora e longe da família, vocês devem estar loucos pra voltar?”…

Se você faz uma festa e não convida alguém “por que você não me convidou?”… se convida “por que não faz num outro dia já que eu não posso neste?”… se faz churrasco “eu prefiro massa’, se faz massa “que vontade de comer um churrasco”…

Se você é mulher, é obrigada a ter marido, emprego, filho e ter corpo, cabelo e pele perfeitos. Se não trabalha é folgada. Se estuda muito, não se dedica ao marido. Se trabalha demais é estranha. Se engorda um pouco, todo mundo já te olha por inteiro. Se emagrece, está doente. Se você é homem, precisa ter um bom emprego, ser bom pai e bom marido. Se não é bem sucedido as amigas da sua mulher (e da sua mãe) vão te julgar. Se não é bom pai depois vai ter que pagar a conta da terapia. Se não for bom marido vai ter que prestar contas com o sogro ou o irmão da esposa.

Os valores do mundo estão trocados e as pessoas deveriam cuidar mais da sua vida e se preocupar menos com os outros. As pessoas são diferente, gente!!! Todo mundo deveria saber disso! Não há um modelo de felicidade e cada pessoa pode ser feliz do seu jeito: sozinha, casada, com filhos, sem filhos, trabalhando, ficando em casa, estudando, morando no Brasil no Canadá ou em qualquer lugar do mundo.



  • 17 Responses

    1. Maíra disse:

      Perfeito Gaby! Ótima reflexão. E admito que isso já me incomodou muito, hj não incomoda mais não. Aprendi a filtrar e não absorver o que não agrega. Quem é amigo e te ama de verdade quer vc do seu jeito, pode querer seu melhor mas não te mudar para se adequar a padrões. Muito bom texto, como sempre!

    2. Aline Sangi disse:

      Perfeito!! Mais um excelente post…
      Parabéns 🙂

    3. Samy disse:

      Faço das suas palavras as minhas tb Gaby!
      Não precisei me mudar pra muito longe pra ouvir todo tipo de pergunta, fofoca, boato, e saindo de perto, dos próprios familiares..
      Não tem coisa mais chata do que pessoa que perde tempo atacando os outros ao invés de construir sua própria vida/felicidade!
      E ainda acontece bem o que a Alice falou, a gente começa a se perguntar as coisas que nos perguntam e viver a pressão disso, criar complexos e medos, achar que nada está bom o suficiente também, é como se fosse uma ‘praga’ que se espalha conforme a atenção que gastamos pensando no assunto.
      O negócio é dar sumiço mesmo, cortar essa gente da nossa vida!

      beijoss

    4. Priscila disse:

      Gabi,
      Como sempre você arrasou! Escreveu muito bem!!! Exatamente como penso!
      Grande beijo

    5. Suas palavras colocaram pra fora o que eu e meu marido estamos passando ultimamente. Isso realmente cansa… ainda mais quando você percebe que os outros adoram trazer problemas ou preocupações pra nós resolvermos (como se já não tivéssemos nenhum). As vezes temos vontade de morar aí no Canadá, pois imaginamos que de repente as coisas podem melhorar estando longe de tudo e todos (ainda mais que aí imaginamos que ninguém se mete na vida dos outros), mas pelo seu desabafo, acho que não vai resolver muito, certo? Boa sorte por aí.

      Bjs

      Cris
      http://www.crisnocanada.com.br

    6. Perfeito Gaby!! E que paciência não nos falte pra aguentar tamanha falta de noção desse povo!!

    7. Não tinha “botado reparo” neste post menina! Ele tá ótimo! Geralmente sou muito polida e paciente, mas confesso que ultimamente estou perdendo a paciência com essas perguntas e respondendo à altura.

    8. Gabriela disse:

      ADORO o comentário de vcs… além de adorar saber a opinião de todos, me faz ver que não sou uma perdida (i.e. louca) no mundo… que não sou a única a enxergar essas coisas estranhas na vida! 😛
      beijos pra todas!

    9. Priscila disse:

      Muito bacana, pura verdade. A cobrança está aí o tempo todo!!! Adoro seu blog!

    10. Alice linck disse:

      O pior de tudo é quando inconscientemente a gente absorve essas perguntas como se fossem nossas… E só mais tarde percebe que viveu a pressão das perguntas alheias como se fossem nossas!
      Por textos como este ( e muitos outros) adoro teu blog e te admiro!
      Bjs
      Alice

    11. ADOREIIIII… faço das suas palavras as minhas… as pessoas se importam mais com vida dos outros do que com a própria vida… as pessoas que pensam deste modo se sentem incomodadas com a felicidade alheia independente de modo seja esta felicidade…. sinto isso na pele todo dia…. as vezes até penso em parar de compartilhar meus momentos pois pelo que percebo alguns é motivo de alegria .. mas para outros é motivo de despeito… de críticas… enfim…. a gente nunca agrada todo mundo!! nao é… beijosss Gaby desejo muitas felicidades nessa nova fase…especial e maravilhosa por sinal… sei que você vive ai a cada dia uma nova fase ainda mais por estar num outro País… o que importa é o que você pensa.. e sente!!! Felicidades hj e sempre… Bjosssss

    12. Kiki disse:

      Disse tudo memo Gabi!Tambem nao entendo como muitas pessoas ao inves de perceberem a FELICIDADE propria, ficam cuidando da vida ALHEIA….aprender a ser feliz e uma das maiores licoes QUE temos obrigacao de aprender durante a vida.
      Desse um banho prima!Bjocas mamae Gabi

    13. Falou tudo, Gaby! É bem isso aí mesmo!
      Beijão

    Deixe um Comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *