O “ser” que vale mais

Eu fico impressionada com a falta de respeito e consideração que certas pessoas tem com o próximo. O ser humano me apavora. Não que eu seja melhor que alguém, não sou, não. Mas não consigo ser falsa, não consigo dar desculpa sem nexo ou ignorar os sentimentos dos outros. Se eu não vou com a sua cara e não concordo com as suas atitudes, eu não vou ser falsa e ficar “puxando assunto” e “querendo saber das novidades”, mas vou te respeitar, ser educada e ponto. Nada mais. Acho muito triste quem vive a vida alheia, quem reclama de tudo, quem escreve mensagens em páginas sociais sem ser direto ao ponto. Acho muito triste.

E é por isso que eu amo tanto meu cachorro. Ele não consegue ser falso: quando eu chego em casa ele está sempre feliz pra me receber (ou nervoso, quando fez algo de errado); nas nossas caminhadas ele mostra-se feliz quando estamos indo a algum lugar e irritado quando estamos voltando (sem esconder nenhum sentimento). Meu cachorro não conta pra ninguém quando eu como doce escondida, não espalha por ai que eu não estudei e fiquei o dia todo vendo TV, não fala meus segredos, não inventa nenhuma mentira, não me dá sorriso falso. E as vezes, sem interesse algum, ele só quer ficar do meu lado, dormindo, sem ganhar nada em troca. Só a minha presença faz bem a ele.

Ser verdadeiro vale muito mais pra mim. Por isso meu cachorro vale muito mais do que muitos seres que se dizem “humanos”.



  • 7 Responses

    1. Suellen disse:

      Oi Gaby, acompanho seu blog a um tempo mas agora que estou lendo desde o início… seu post vale para os gatinhos também! uahuaha
      O meu Nick vale mais do que muita gente sem noção, que vemos por aí!

    2. Oi Gaby, tudo bem? Sinto tudo isso e mais um pouco pela Carlota. Pena que só quem teve o amor de um cachorro consegue entender tudo isso. Bjs…

    3. Leandro A. Batista disse:

      Gaby,

      Ainda não conheço vocês pessoalmente, mas já adoro vocês pelos seus posts.

      Sou Leandro do Brasil, de São Paulo, neste momento (próximo da Eaglinton av X Kipling av), estou em Toronto com minha esposa e filho (fazem 17 dias) e amanhã é o meu último dia aqui. (Vim de férias e estou na casa de uma amiga que imigrou para cá).

      Passo todas as suas dicas para eles que ainda não conhecem muitas coisas por aqui.
      Seu blog além de extremamente rico, adoro a forma que você escreve.

      Gostaria de parabenizá-la por esse feito!

      Um grande abraço para todos vocês.

    4. Alice Linck disse:

      O cachorro também não fica fazendo perguntas inoportunas pra fazer fuxico depois!
      Nem fica controlando o que a gente gasta, quanto a gente pesa… no máximo ele fuxica por onde andamos que voltamos com cheirinho de outros cachorros! 😛
      Concordo plenamente com esse post!
      Como é bom ter esses filhos caninos! É um alívio pra cabeça!

    5. anna maria lima de melo disse:

      ?????

    Deixe um Comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *